30.8.17

6 poemas de Margarida Vale de Gato










Se sinto isto aqui chiar cá dentro 


De qualquer forma sei como encontrar
quem alivie. Nem o problema está
em que não sejas tu. Antes será
que venham mas não tenha para lhes dar,


atribuir-lhes uso, não lugar:
esse amplo espaço que te abri, já
feito o trespasse, o isolei: aliás
de ti adopto o jeito de vedar,

e embora admita que também estalas,
há que emplastrar de novo a cal, o gesso,
e sem falta cobrir as decepções,


que cesse o eco, quando ainda me falas,
esticada como antes, tua, tesa. 
Tudo estanque, agora, é raro o ar


um silvo só arranha entre os pulmões. 




Coping


Ficar quieta é técnica que já
aplico com rigor, e no preciso
sítio em que pulsa paraliso
tudo, quem está morto livre está.


Creio que começou quando cedeu 
o avô. Alguém disse: afinal
o coração não aguentou. Eu
pensei: mais vale declinar o abalo. 


Mas também não cheguei nessa altura
até ao fim. Escangalhei-me na novena
aos degredados filhos de Eva. 
Iniciei-me então nos barbitúricos

e hoje passo bem melhor. Às vezes
é um jogo, em que recorro ao coito
antes de apanhada, e se esgoto
essa via, dedico-me à mimese,


diluo-me com os objectos, tudo
me toca mas nada dá por mim, tão
imóvel que me ignora a dor, não 
há como acordar um corpo mudo. 


Por exemplo agora que não veio
o homem, podia ter-me ferido
ou saído a buscar outro, e perdido;
mas pratico com vantagem a apneia

e a domesticidade. É pena
que me esqueça tanta coisa; foi 
sorte saber da lamela - eia, pois,
advogada nossa - dormir serena. 




Ressabiadas


Talvez lá no fundo acredite
que os seres humanos são todos sensivelmente 
os mesmos em toda a parte, mas então 
necessariamente as mulheres são mais. 
Costumes que frequentamos: 
o arame da loiça, os panos dos pratos, os ganchos e as linhas
do estendal, a vinha-de-alhos, o fogão, 
o alguidar, guardamos os restos, torcemos
os trapos, os nossos recados, os nossos sacos,
os nossos ovos. 


Certamente que eles, em grande maioria, 
escanhoam os queixos e gostam
de arejar, mas não médicos, polícias,
engraxadores, economistas
e os vários naipes da banda filarmónica
nós somos todas domésticas, mesmo

assim não nos entendemos, e
nem serve escrever isto
que o maniqueísmo em traços largos
resvala na aldrabice, e a poesia
vem dos anjos já se sabe
carecidos de sexo. 


E aliás que me rala a mim,
levo a minha vida e tenho o amor
de que não desconfio
e se consolo o cio e a fome
decerto falo de cor,
nem é por isso que me doem os calos
mas por causa dos bicos
dos vossos saltos
no desnível dos soalhos, refinadas
galdérias que se tomam a sério,
pestanas certeiras e beiços
que brilham, línguas que estalam 
e mamas que chispam

corada invoco a imagem mal tirada
da fêmea recortada ao macho que a conforma;
sei que desminto qualquer laço comunal
e seja como for ninguém pediu 
o meu palpite, pelo que não me habilito 
e me desquito, acinte,
mudo, era eu


quem estava mal. 




Mulher ao mar


MAYDAY lanço, porque a guerra dura
e está vazio o vaso em que parti
e cede ao fundo onde a vaga fura,
suga a fissura, uma falta – não
um tarro de cortiça que vogasse;
especifico: é terracota e fractura,
e eu sou esparsa, e a liquidez maciça.
Tarde, sei, será, se vier socorro:
se transluz pouco ao escuro este sinal,
e a água não prevê qualquer escritura
se jazo aqui: rasura apenas, branda
a costura, fará a onda em ponto
lento um manto sobre o afogamento.



bn-acpc-e-e3-74a-1-113_0130_63v_t24-C-R0150

No rascunho que Fernando Pessoa usou
para a tradução do Corvo de Edgar Poe
há no fim versos talvez seus que rasurou.

«Dic. de Rimas», em letra legível vem
por cima; depois, porém, o que não quis
que viessem a ler, nem ele a ter de escrever,
afigura-se tão honesto quanto sofrível.
Devo admitir que não pude coibir-me
(julgo eu que nenhum outro, ao descobrir
o bilhete ignorado de um morto)
a tentar ver se ele traduzia, se
aquilo era poesia ou um apelo
e a mim cabia, por mais
que inexacto, transcrevê-lo.

Se julguei entender a certo passo
o verbo «treslêem», era chato
que ao primeiro sinal faltasse o traço;
olhando de novo, talvez achasse
«conteem» (atestando no passado
mais desafogo ortográfico)
o que era menos ousado
embora não desdissesse
aquilo que me comove
na p. 229
do Livro do Desassossego,                  
«Ler é sonhar pela mão de outrem.
Ler mal e por alto é libertarmo-nos 
da mão que nos conduz.»
Isto sobretudo quando, como dizia
o galês que o Ivan Junqueira traduz,
«Grande é a mão que mantém
o seu domínio sobre um homem
por ele ter escrito um nome.»
(Neste ponto, nota de rodapé onde se lê:
Jerónimo Pizarro, em comunicação pessoal,
diz-me que o trecho não é do livro afinal.)

Devolvendo-me, por linhas tortas,
à reflexão do que fazer
com o papel em que um homem,
nem de propósito por muitos
considerado o maior génio
da língua portuguesa do século
vigésimo, depositou quem sabe
o seu mais pungente recado, o qual
riscou, mas não deixou por isso de guardar
numa resma arrumada que o culto nacional
não só numerou como hoje disponibiliza
digitalmente a quem quiser consultar.

E eu –– a tergiversar –– isto não é poema
nem condiz com sentida homenagem:
Fernando, tu dizias, da brevidade da vida
e da dor e desgraça que «ha n’ella» (anela),
e aquilo que mais doía era a falta de coragem
de confiar os desmandos do teu ser,
«oculto o meu interior aos olhares humanos»
(embora aqui talvez haja desfocagem
e possa ser «critério» o que esteja
no lugar de «interior» – onde, mais se justifica,
no início dessa estrofe, «Sinto horror»);
e ainda declinavas, pela margem
«Pensamentos.. gestos... palavras... almas»,
 
e eu que devia vir aqui dar corpo
ao inarticulado da poesia falar-te
do que perdeste, com esse teu feitio,
e a interna rima traindo-te a descarga
de eterno contentor que não explode ––

nem sei se a letargia tanto me sacode,
«além de que o não posso a alguém vazio».




 



27.8.17

Apple


Think Different. O slogan da Apple nos convida a pensar diferente. Mas tudo indica que a empresa, apesar de "pensar diferente", age como de costume. Igual a todas as grandes corporações criminosas. A Apple, símbolo de inovação e criatividade, tem demonstrado também ser criativa para burlar leis concorrenciais e pagar o mínimo de impostos. As procuradorias-gerais dos estados de Nova York e Connecticut estão investigando a Apple por práticas danosas à livre concorrência. E a Comissão Europeia investiga a empresa desde o ano passado por suspeita de fraude fiscal.
É sabido também que a Apple se utiliza de mão de obra estrangeira em condições além de precárias. Tristes linhas de montagem dos tempos pós-modernos. Enquanto cultuamos o design, a tecnologia e a funcionalidade de nossos produtos favoritos, ficamos tão absorvidos pelo fetiche dessas mercadorias que esquecemos como, por quem e em que condições elas são produzidas.

O interessante é que grande parte da tecnologia utilizada no IPhone é decorrente de pesquisas financiadas pelo setor público. A economista Mariana Mazzucato refresca nossa memória e nos faz relembrar que "a Internet, onde dá para navegar para qualquer lugar no mundo; GPS, com que dá para saber onde você está em qualquer lugar do mundo; a tela sensível ao toque, que também torna um celular fácil de usar por qualquer pessoa. Essas são as coisas muito inteligentes, revolucionárias no iPhone, e são todas financiadas pelo governo".

Em seu livro O Estado Empreendedor — Desmascarando o Mito do Setor Público vs. o Setor Privado, Mariana Mazzucato nos recorda que "a Internet foi financiada pela DARPA, do Departamento de Defesa dos EUA. O GPS foi financiado pelo programa Navstar dos militares. Até a Siri foi, na verdade, financiada pela DARPA. A tela sensível ao toque foi financiada por duas concessões públicas da CIA e da NSF a dois pesquisadores universitários na Universidade de Delaware". Todos órgãos públicos.

Ainda segundo Mariana Mazzucato, "a Apple foi financiada inicialmente pelo programa SBIC, que antecedeu o programa SBIR, assim como todas as tecnologias por trás do iPhone. E, mesmo assim, sabemos que eles legalmente, como muitas outras empresas, pagam pouquíssimos impostos de volta". De fato, as práticas agressivas de planejamento tributário da Apple, com a finalidade de pagar o mínimo de impostos, são bastante conhecidas. Mas a fronteira entre o planejamento e a fraude já foi ultrapassada.

De acordo com o Financial Times, a Apple utiliza a Irlanda desde 1980 como um paraíso fiscal para recolher menos impostos. Investigações da Comissão Europeia apuraram que a Apple teria recebido vantagens ilícitas do Estado irlandês, onde os impostos são menores do que 2%. Na União Europeia, o imposto corporativo padrão é de 12,5%.
Em resumo, a empresa considerada o modelo mais perfeito e acabado de sucesso da nova economia cresceu com financiamentos públicos diretos e indiretos para, no fim das contas, utilizar mão de obra precarizada, burlar a livre concorrência e fraudar impostos. Assim é muito fácil incentivar recém-formados para que sejam inovadores, "indo atrás do que amam" e "continuando loucos", como fez Steve Jobs, em célebre discurso na Universidade de Stanford, em 2005.
Riscos públicos, benefícios privados. Efeitos colaterais de um mercado não tão livre assim. A liberdade econômica, para os defensores do livre mercado, é unilateral. Só vale quando lhes favorecem. Marx também era um liberal, no sentido iluminista do termo. Acreditava que com o uso da razão seria possível construir um mundo melhor, mais igualitário e mais livre. Mas para ele, o liberalismo só faria sentido quando não houvesse mais dominantes e dominados. Nem empresas monopolistas e oligopolistas regendo o mundo. Um mundo livre não apenas de direito, mas livre de fato. Uma bela utopia marxista.

Ulysses Ferraz
via FB



25.8.17

Violeta Parra - o outro lado de Gracias a la Vida



Maldigo del alto cielo
la estrella con su reflejo,
maldigo los azulejos
destellos del arroyuelo,
maldigo del bajo suelo
la piedra con su contorno,
maldigo el fuego del horno
porque mi alma está de luto,
maldigo los estatutos del tiempo
con sus bochornos,
cuánto será mi dolor.

Maldigo la cordillera
de los Andes y de La Costa,
maldigo, señor, la angosta
y larga faja de tierra,
también la paz y la guerra,
lo franco y lo veleidoso,
maldigo lo perfumoso
porque mi anhelo está muerto,
maldigo todo lo cierto
y lo falso con lo dudoso,
cuánto será mi dolor.

Maldigo la primavera

con sus jardines en flor
y del otoño el color
yo lo maldigo de veras;
y a la nube pasajera
la maldigo tanto y tanto
porque padezco un quebranto.
Maldigo el invierno entero
con el verano sincero,
maldigo profano y santo,
grande será mi dolor.


Maldigo a la solitaria
figura de la bandera,
maldigo cualquier emblema,
la Venus y la Araucaria,
el trino de la canaria,
el cosmos con sus planetas,
la tierra y todas sus grietas
porque me aqueja un pesar,
maldigo del ancho mar
sus puertos y sus caletas,
grande será mi dolor.


Maldigo luna y paisaje,
los pueblos y los desiertos,
maldigo muerto por muerto
y el vivo de rey a paje,
las aves con sus plumajes
las maldigo a sangre fría,
las aulas, las sacristías
porque me aflige un dolor,
maldigo el vocablo "amor"
con toda su brujería,
cuánto será mi dolor.


Maldigo por fin lo blanco,
lo negro con lo amarillo,
obispos y monaguillos,
ministros y predicandos
yo los maldigo cantando;
lo libre y lo prisionero,
lo dulce y lo pendenciero
yo pongo mi maldición
en griego y en español
por culpa de un traicionero,
cuánto será mi dolor.



Vashti Bunyan Don't Believe What They Say



You say that you'll always love me
That you'll never leave me blue
Don't you know that that's all fallacy
Don't you know it's not true

You may want the love they talk about
But it isn't like they say
You will find that come tomorrow
You won't feel this way

When you say that you're in love with me
Do you really know what you mean
Or are you saying it because you've heard of it
Or because of something you've seen

Oh don't believe that love brings happiness
Gone tomorrow here today
Love involves so much unhappiness
Don't believe what they say




24.8.17

Robôs e política




http://mykristeva.tumblr.com/post/164579934630/robôs-redes-sociais-e-política-no-brasil-estudo

Pat Parker








Don't let the fascist speak


"Don't let the fascist speak." 
"We want to hear what they have to say." 
"Keep them out of the classroom." 
"Everybody is entitled to freedom of speech." 

I am a child of America 
a step child 
        raised in the back room 
yet taught 
        taught how to act 
in her front room 
my mind jumps 
the voices of students 
screaming 
insults       threats 
"Let the Nazis speak." 
"Let the Nazis speak." 
Everyone is entitled 
        to speak 
I sit a greasy-legged 
        Black child 
in a Black school 
in the Black part of town 
look to a Black teacher 
the bill of rights 
        guarantees 
us all the right 
        my mind 
remembers       chants 
article I       article I 
& my innards churn 
they remember 
the Black teacher 
in the Black school 
in the Black part 
of the very white town 
who stopped us 
when we attacked 
the puppet principal 
the white Board 
of mis-Education 
cast-off books 
illustrated with 
cartoons and 
words of wisdom 
written by white 
children in the 
other part of town 
missing pages 
caricatures 
of hanging niggers - 
the bill of rights 
was written to 
        protect 
           us 

my mind remembers 
& my innards churn 
conjure images 
        police 
break up 
illegal demonstrations 
illegal assemblies 
        conjure image 
of a Black Panther 
"if tricky Dick 
tries to stop us 
we'll stop him." 
        conjure image 
of that same Black man 
going to jail 
for threatening 
the life of 
       THE PRESIDENT 
every citizen 
is entitled to 
freedom of speech 
my mind remembers 
& my innards churn 
conjure images 
of jews in camps - 
of homosexuals in camps - 
of socialists in camps - 
"Let the Nazis speak." 
"Let the Nazis speak." 
        faces in a college 
          classroom 
"You're being fascist too." 
"We want to hear what 
they have to say." 

 faces in 
a college classroom 
young white faces 
        speak let them speak 
speak let them speak 
Blacks jews some whites 
seize the bull horn 
"We don't want to hear 
your socialist rhetoric" 
        socialist rhetoric 
        survival 
                     rhetoric 
the supreme court 
says it is illegal 
to scream fire 
in a crowded theatre 

to scream fire 
in a crowded theatre 
cause people to panic 
to run to hurt each other 
my mind remembers 
& now i know 
what my innards 
        say 
illegal to cause 
        people 
to panic 
to run 
to hurt 
there is 
no contradiction 
what the Nazis say 
will cause 
        people 
        to hurt 
        ME.