24.5.16

Elza Soares - Coração do Mar



Coração do mar
É terra que ninguém conhece
Permanece ao largo
E contém o próprio mundo
Como hospedeiro
Tem por nome "Se eu tivesse um amor"
Tem por nome "Se eu tivesse um amor"
Tem por nome "Se eu tivesse um amor"
Tem por nome "Se eu tivesse um amor"

Tem por bandeira um pedaço de sangue
Onde flui a correnteza do canal do mangue
Tem por sentinelas equipagens, estrelas, 
taifeiros madrugadas e escolas de samba

É um navio humano, quente, negreiro, do mangue
É um navio humano, quente, guerreiro, do mangue




Elza Soares - Maria da Vila Matilde ...

Man Ray, Emak-Bakia (Leave Me Alone), 1926












19.5.16

Celeste Rodrigues - Nostalgia - show de ontem em Bilbao



Uma guitarra baixinho
Numa viela sombria
Derrama um fado velhinho
É noite na Mouraria.

Apita um barco no Tejo
Na rua passa um rufia
Em cada boca há um beijo
É noite na Mouraria.

Tudo é fado
Tudo é vida
Tudo é amor sem guarida
Dor, sentimento, alegria.

Tudo é fado
Tudo é sorte
Retalhos de vida e morte
É noite na Mouraria.

Cai o luar na viela
Perdida saudade ao vento
No céu queima-se uma estrela
Na ruela há um lamento.

Lamento de amor que é fado
Dando ao pensar nostalgia
O tempo passa apressado
É noite na Mouraria.



14.5.16

A Naifa - Um Rapaz mal desenhado



Gostei de o ter por cá
O teu corpo delicado e quente
Um rapaz mal desenhado
Obedecia-me cegamente
Um rapaz vestido de rapariga
Depois de tão belo começo
A dar-me a mão por baixo da mesa
Eu bem sei que não o mereço
Ambiciono o coração
Perco a noção de subtileza
Sabes que nunca te encorajei
Levanta-te e paga a despesa
Não julgues que não tentei
És pouco para tanto desejo
E é toda a tua culpa
Os embaraços em que me vejo
Um rapaz vestido de rapariga
Depois de tão belo começo
A dar-me a mão por baixo da mesa
Eu bem sei que não o mereço
Ambiciono o coração
perco a noção de subtileza
sabes que nunca te encorajei
levanta-te e paga a despesa


10.5.16

esta depressão que me anima



a gorda do café
muito antiga e perfumada
passe bem minha senhora
que eu não me importo nada

uma rima obsessiva
indecente nas suas maneiras
desligado o motor do carro
as criadas tornavam-se indisciplinadas

vivo do que me dão
nunca falto às aulas de esgrima
e todos os dias agradeço a deus
esta depressão que me anima

o rapaz da drogaria
amarelo e mal tratado
convidou-me a sair
encontrei-o no teatro


5.5.16

Dorothy Parker

Symptom Recital

I do not like my state of mind;
I'm bitter, querulous, unkind.
I hate my legs, I hate my hands,
I do not yearn for lovelier lands.
I dread the dawn's recurrent light;
I hate to go to bed at night.
I snoot at simple, earnest folk.
I cannot take the gentlest joke.
I find no peace in paint or type.
My world is but a lot of tripe.
I'm disillusioned, empty-breasted.
For what I think, I'd be arrested.
I am not sick, I am not well.
My quondam dreams are shot to hell.
My soul is crushed, my spirit sore;
I do not like me any more.
I cavil, quarrel, grumble, grouse.
I ponder on the narrow house.
I shudder at the thought of men….
I'm due to fall in love again.



group A - Suffocated



(setembro 2015 - Tóquio)



Richard Benjamin Keys