27.3.16

Libera Me



Libera me, Domine, de morte aeterna, in die illa tremenda.
Quando coeli movendi sunt et terra.
Dum veneris iudicare saeculum per ignem.
Tremens factus sum ego, et timeo, dum discussio venerit, atque ventura ira.
Quando coeli movendi sunt et terra.
Dies illa, dies irae, calamitatis et miseriae, dies magna et amara valde.
Dum veneris iudicare saeculum per ignem.
Requiem aeternam dona eis, Domine: et lux perpetua luceat eis.





Jack Vettriano's Paintings

26.3.16

Alexandre O'Neill



Um adeus português

Nos teus olhos altamente perigosos
vigora ainda o mais rigoroso amor
a luz de ombros puros e a sombra
de uma angústia já purificada

Não tu não podias ficar presa comigo
à roda em que apodreço
apodrecemos
a esta pata ensanguentada que vacila
quase medita
e avança mugindo pelo túnel
de uma velha dor

Não podias ficar nesta cadeira
onde passo o dia burocrático
o dia-a-dia da miséria
que sobe aos olhos vem às mãos
aos sorrisos
ao amor mal soletrado
à estupidez ao desespero sem boca
ao medo perfilado
à alegria sonâmbula à vírgula maníaca
do modo funcionário de viver

Não podias ficar nesta cama comigo
em trânsito mortal até ao dia sórdido
canino
policial
até ao dia que não vem da promessa
puríssima da madrugada
mas da miséria de uma noite gerada
por um dia igual

Não podias ficar presa comigo
à pequena dor que cada um de nós
traz docemente pela mão
a esta dor portuguesa
tão mansa quase vegetal

Não tu não mereces esta cidade não mereces
esta roda de náusea em que giramos
até à idiotia
esta pequena morte
e o seu minucioso e porco ritual
esta nossa razão absurda de ser

Não tu és da cidade aventureira
da cidade onde o amor encontra as suas ruas
e o cemitério ardente
da sua morte
tu és da cidade onde vives por um fio
de puro acaso
onde morres ou vives não de asfixia
mas às mãos de uma aventura de um comércio puro
sem a moeda falsa do bem e do mal

Nesta curva tão terna e lancinante
que vai ser que já é o teu desaparecimento
digo-te adeus
e como um adolescente
tropeço de ternura
por ti.


24.3.16

e. e. cummings




Dedicatória de Cummings às 14 editoras que o rejeitaram, organizada 
como poema concreto em forma de urna funerária. 
(In No Thanks, coletânea autopublicada em 1935.)



11.3.16

Hot Spots


BRICS’ Brazil President Next Washington Target*
The reason Washington wants to get rid of Rousseff is clear. As President she is one of five heads of the BRICS who signed the formation of the US$100 billion BRICS Development Bank and a reserve currency pool worth over another US$100 billion. She also supports a new International Reserve Currency to supplement and eventually replace the dollar. Inside Brazil she is supported by millions of lower-income Brazilians who have been lifted out of poverty by her various programs, especially the Bolsa Familia, an economic subsidy program for low-income mothers and families. The Bolsa Familia has brought an estimated thirty-six million families out of poverty via Rousseff and her party’s economic policies, something that creates apoplexy in Wall Street and Washington.
Her US-backed campaign rival, Aécio Neves of the Brazilian Social Democracy Party (Partido da Social Democracia Brasileira – PSDB), serves the interests of tycoons and their Washington allies.
Neves’ chief economic adviser who would have become Finance Minister in a Neves presidency was Arminio Fraga Neto, a close friend and former associate of Soros and his Quantum hedge fund. Neves’ senior adviser, and likely Foreign Minister had he won, was Rubens Antônio Barbosa, former Brazil ambassador to Washington and today a Senior Director of ASG based in Sao Paulo.
ASG is the consulting group of Madeline Albright, former US Secretary of State during the 1999 US bombing of Yugoslavia. Albright, a Director of the leading US think-tank, Council on Foreign Relations, is also chair of the prime US Government “Color Revolution” NGO, the National Democratic Institute (NDI). Not surprisingly, Barbosa during the recent campaign called for a strengthening of Brazil-US relations and a diminishing of the strong Brazil-China ties developed by Rousseff in the wake of revelations of USA spying by NSA on Rousseff and her government.
Emerging corruption scandal
During the bitter election campaign between Rousseff and Neves, the Neves opposition began circulating rumors that Rousseff, who until now had never been linked to corruption so common to Brazilian politics, was implicated in a scandal involving the state oil giant, Petrobras. In September, a Petrobras former director alleged that members of Rousseff’s government had received commissions on contracts signed with the oil giant which were then used to buy congressional support. Rousseff served on the company’s board of directors until 2010.
Now on November 2, just days after Rousseff’s hard-fought victory, the US major accounting firm, PriceWaterhouseCoopers, refused to sign Petrobras’ third-quarter earnings. PWC demanded wider investigation into the corruption scandal involving the state-run oil company.
PriceWaterhouseCoopers is one of the most scandal-ridden US accounting firms. It was implicated in 14 years of covering up fraud in the AIG insurance group which was at the heart of the 2008 US financial crisis. And the British House of Lords in 2011, criticized PWC for not drawing attention to the risks in the business model followed by Northern Rock bank, a major disaster in Britain’s real estate financial crisis of 2008, a client which had to be bailed out by the UK government. The attacks on Rousseff are escalating we can be sure.
Rousseff’s Global Strategy
It is not merely Rousseff’s alliance with BRICS countries that has made her a prime Washington destabilization target. Under her tenure, Brazil is moving swiftly to decouple from US NSA electronic surveillance vulnerability.
Days after her re-election, the state-owned Telebras announced plans to construct a major underwater fiber-optic telecommunications cable to Portugal across the Atlantic. The Telebras-planned cable will run 3,500 miles from the Brazilian city of Fortaleza to Portugal. It represents a major break for trans-Atlantic communications with US technology domination. Notably, Telebras President Francisco Ziober Filho said in an interview that the cable project will be built without any US companies.
The Snowden NSA revelations in 2013 among other things revealed the intimate ties of key strategic IT companies like Cisco Systems, Microsoft and others to the US intelligence community. He stated that “The issue of data integrity and vulnerability is always a concern for any telecom company.”

Brazil has reacted to the NSA leaks by making thorough audits of all foreign-made equipment to check for security vulnerabilities and accelerated the country’s move toward technological self-reliance according to the Telebras chief.

Until now virtually all Trans-Atlantic IT traffic routed via the east Coast of USA to Europe and Africa a major espionage advantage for Washington
Reacting to the Snowden leaks, the Rousseff government ordered termination of contracts with Microsoft for Outlook e-mail services. Rousseff declared at the time that it was to help “prevent possible espionage.” Instead Brazil is going national with its own e-mail system called Expresso, developed by state-owned Servico Federal de Processamento de Dados (Serpro). Expresso is already used by 13 of the country’s 39 ministries. Serpro spokesman Marcos Melo stated, “Expresso is 100 percent under our control.” If true or not clear is that under Rousseff and her party Brazil is pursuing what she sees as Brazil’s best national interest.
Oil Geopolitics also Key
Brazil is also moving away from the Anglo-American domination of its oil and gas exploration. In late 2007 Petrobras discovered what was estimated to be a mammoth new basin of high-quality oil on the Brazilian Continental Shelf offshore in the Santos Basin. Since then, Petrobras has sunk 11 oil wells in the Santos Basin, all successful. At Tupi and Iara alone, Petrobras estimates there are 8 to 12 billion barrels of recoverable oil, which can almost double current Brazilian oil reserves. In total the Brazil Continental Shelf could contain over 100 billion barrels of oil, transforming the country into a major oil and gas power, something Exxon and Chevron, the US oil giants have tried hard to control.
In 2009 according to leaked US diplomatic cables published via Wikileaks, Exxon and Chevron were noted by the US Consulate in Rio to be trying in vain to alter a law proposed by Rousseff’s mentor and predecessor in her Brazilian Workers’ Party , President Luis Inacio Lula da Silva, or Lula as he is called.
That 2009 law made the state-owned Petrobras chief operator of all offshore blocs. Washington and the US oil giants were furious at losing key control over potentially the largest single new oil discovery in decades.
Making matters worse in Washington’s eyes, Lula not only pushed ExxonMobil and Chevron out of the controlling position in favor of the state-owned Petrobras, but he also opened Brazilian oil exploration to the Chinese. In December, 2010 in one of his last acts as President, he oversaw signing of a deal between the Brazilian-Spanish energy company Repsol and China’s state-owned Sinopec. Sinopec formed a joint venture, Repsol Sinopec Brasil, investing more than $7.1 billion towards Repsol Brazil. Already in 2005 Lula had approved formation of Sinopec International Petroleum Service of Brazil Ltd as part of a new strategic alliance between China and Brazil, a forerunner of today’s BRICS organization.
Washington Was not Delighted
In 2012 in a joint exploration drilling, Repsol Sinopec Brasil, Norway’s Statoil and Petrobras made a major new discovery in Pão de Açúcar, the third in block BM-C-33, which includes the Seat and Gávea, the latter one of the world’s 10 largest discoveries in 2011. US and British oil majors were nowhere to be seen.
As relations between Rousseff’s government and China as well as Russia and the other BRICS partners deepened, in May 2013, US Vice-President Joe Biden made a trio to Brazil where his agenda was focused on oil and gas development. He met with President Dilma Rousseff who succeeded her mentor Lula in 2011. Biden also met with leading energy companies in Brazil including Petrobras.
While little was publicly said, Rousseff refused to reverse the 2009 oil law in a way suitable to Biden and Washington. Days after Biden’s visit came the Snowden NSA revelations that the US had also spied on Rousseff and top officials of Petrobras. She was livid and denounced the Obama Administration that September before the UN General Assembly for violating international law. She cancelled a planned Washington visit in protest. After that US-Brazil relations took a dive.
Before Biden’s May 2013 visit Dilma Rousseff had 70% of popularity rating. Less than two weeks after Biden left Brazil, nationwide protests by a well-organized group called Movimento Passe Livre, over a nominal 10 cent bus fare increase, brought the country virtually to a halt and turned very violent. The protests bore the hallmark of a typical “Color Revolution” or Twitter destabilization that seems to follow Biden wherever he makes a presence. Within weeks Rousseff’s popularity plummeted to 30%.
Washington had clearly sent a signal that Rousseff had to change course or face serious problems. Now that she has won re-election and defeated the well-financed right-wing oligarchs and the opposition, Washington will clearly try with renewed energy to get rid of another BRICS leader in an increasingly desperate bid to hold the status quo. It seems the world no longer snaps to attention as it did in past decades when Washington gave the marching order. The year 2015 will be an adventure not only for Brazil but for the entire world.

* F. William Engdahl is strategic risk consultant and lecturer, he holds a degree in politics from Princeton University and is a best-selling author on oil and geopolitics, exclusively for the online magazine “New EasternOutlook”.


mar, marée, bateau

Martin Mlecko - Je Ne Sais Quoi

sexta

8.3.16

Leopoldo María Panero




Yo me destruyo 
                    para saber que soy yo y no todos ellos






7.3.16

Hot spots


A "régua" do jogo
Mauro Santayanna

Discretamente, sem muito barulho por parte da imprensa, o país se prepara para decidir, quase que na surdina,  o futuro de um negócio de dezenas de bilhões de dólares, que tende, se nada for feito, a ser entregue, de mão beijada, para os estrangeiros. Na comissão que "estuda" o tema na Câmara dos Deputados,  parlamentares, como na fábula das galinhas, estão convocando  “raposas”, representadas por advogados e "executivos" estrangeiros ligados a empresas que substituíram a máfia em Las Vegas, para prestar, "desinteressadamente",  em benefício do “desenvolvimento” da indústria brasileira de “entretenimento" e de "turismo",  "conselhos" e "informações" para o estabelecimento de um Marco Regulatório do Jogo no Brasil. Uma atividade que, caso fique em mãos particulares, esses mesmos "conselheiros" serão os primeiros a explorar, enviando para o exterior bilhões de dólares em ganhos, subtraídos dos bolsos de milhares de “otários” nacionais. Ora, como no caso dos bingos, explorados na época do governo FHC, em São Paulo, pela máfia corsa, cujos membros não tinham a menor preocupação em se esconder,  arrogantes,  vestidos como lordes, à porta de luxuosos flats, antes de sair para comandar dezenas de estabelecimentos desse tipo e centenas de funcionários brasileiros,  não se discute que, no Brasil, a regulamentação do jogo poderia, potencialmente, criar muitos empregos. O que preocupa é na mão de quem será entregue esse fabuloso negócio, e como se evitará - no caso de que estrangeiros fiquem com o controle do setor - a prática de atividades paralelas como a venda de drogas e a exploração de prostituição - qualquer um que já tenha ido a Las Vegas, sabe que há muito mais que dados, cartas ou caça-níqueis rolando nos cassinos da cidade - e, principalmente, como se evitará a corrupção de autoridades e políticos, dentro e fora do Congresso, começando, naturalmente, pelo próprio  processo de estabelecimento dessa nova legislação.
Como serão estabelecidos esses parâmetros, com que régua serão medidas as vantagens e as desvantagens da legalização dessa atividade? Com a nossa régua, que deve, ou deveria, calcular, apontar, para a busca do máximo de benefícios para a população brasileira, ou a régua dos gringos, dos pseudo “investidores” estrangeiros, que já estão influindo na comissão antes mesmo que se inicie o processo de discussão mais ampla com a sociedade?
Considerando-se que a Caixa Econômica Federal já cuida de loterias, o caminho mais lógico, natural, seria que a ela fosse entregue a administração e o controle dos outros jogos de azar no Brasil. Segundo maior banco público do país, com lastro de centenas de milhões de reais em ativos, ninguém melhor do que a CEF para obter, dentro ou fora do país, os recursos para os investimentos que se fizerem necessários, dinheiro esse que raramente falta quando se trata desse tipo de negócio. Funcionários do próprio banco poderiam ser aproveitados, ou ser contratados, por meio de concurso, entre trabalhadores que já tivessem eventualmente experiência na  indústria de turismo, e, se necessário, treinados por técnicos vindos de fora, facilitando, por tratar-se de empresa pública, a necessária, imprescindível, fiscalização, de dentro para fora, da atividade.  
Há também outras áreas, como o garimpo ilegal de ouro e de diamantes, em que apenas a presença do Estado - também, eventualmente, por meio da CEF e do Exército - poderia impedir o esbulho do patrimônio da União, que tem por donos todos os brasileiros, prevenindo e reprimindo o roubo das riquezas nacionais e disciplinando e regulando a sua exploração.   
A esculhambação nesse contexto é tão grande, que em novembro do ano passado a Polícia Federal teve de intervir, por meio da operação “Corrida do Ouro”, no Mato Grosso, para prender policiais civis que haviam se assenhoreado, à ponta de revólver, da exploração de um garimpo ilegal na Serra da Borda, em Pontes e Lacerda, para extorquir dos garimpeiros não apenas sua obrigatória parte do ouro, mas também monopolizar todo e qualquer tipo de comércio, incluindo o de bebidas, alimentos, insumos e equipamentos e a prostituição.

Hot spots

A QUEM INTERESSA ATRASAR OS PROGRAMAS ESTRATÉGICOS BRASILEIROS?
por Narciso Alvarenga Monteiro de Castro*


Em 14 de junho de 2012 foram comemorados os trinta anos do fim da Guerra das Malvinas entre o Reino Unido e a República Argentina, que, como todos sabem, terminou com a rendição dos soldados argentinos em Porto Stanley.
Foi a primeira “guerra tecnológica” e precedeu outra, a Guerra do Golfo, onde os artefatos high-tech puderam ser demonstrados aos olhos do mundo e em tempo real.
Para nós, brasileiros, as lições mais importantes do conflito, além de testemunhar o heroísmo dos soldados portenhos e principalmente de seus pilotos de caça, foram: os Estados Unidos (e de resto a Europa) se alinham automaticamente aos seus e um submarino de propulsão nuclear deixa fora de ação toda uma esquadra convencional.
Um pouco antes, a Marinha do Brasil já ensaiava os primeiros passos buscando o domínio do ciclo atômico, com os almirantes Maximiano da Fonseca, Mário Cezar Flores, Álvaro Alberto e, principalmente, o vice-almirante dr. Othon Luiz Pinheiro da Silva.
Para um país de larga extensão costeira, fica claro que a estratégia baseada na dissuasão é a mais eficaz. Os primeiros submarinos da esquadra foram adquiridos em 1914 de procedência italiana. A tradição de construção de navios em nossas terras vem antes de 1808, com a chegada de D. João VI e nunca foi interrompida, apesar dos altos e baixos.
Hoje, o país pode se orgulhar de dominar a sensível tecnologia da construção de submarinos ou submersíveis, adquirida da Alemanha. Mais recentemente, um acordo estratégico assinado com os franceses deu um passo além: a aquisição de tecnologia para projetar submarinos, que ao final capacitará o país a lançar o seu primeiro submarino de propulsão nuclear.
Um submarino convencional é movido a motor diesel e baterias. Segundo o contra-almirante Othon tal embarcação não passa de um jacaré ou uma foca, fácil de ser abatida. A explicação é simples. Para submergir, os motores precisam ser desligados, pois produzem gás, que não teria como ser expelido devido a maior pressão.
Então, o tempo que um submarino convencional pode ficar escondido (stealth) é o tempo de duração de suas baterias, uns poucos dias. Ao subir à superfície, para recarregar as baterias e o ar, pode ser facilmente abatido, pois, além disso, é muito lento.
Um submarino de propulsão nuclear pode ficar meses embaixo da água, o tempo que os seus tripulantes aguentarem sem sofrer um colapso nervoso. É muito mais rápido, devido ao seu propulsor, um reator atômico, que utiliza urânio enriquecido a 20%, o U-235.
Fica clara a opção escolhida pelos que pensaram a Estratégia Nacional de Defesa (que não pode ser separada da Estratégia Nacional de Desenvolvimento).
Somente cinco países constroem submarinos com propulsão nuclear: Estados Unidos, Reino Unido, França, China e Rússia, todos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU.
Apenas três países dominam todo o ciclo do combustível atômico e possuem reservas de urânio: os Estados Unidos, a Rússia e o Brasil.
Nosso país tem mais de 300 mil toneladas de urânio em suas jazidas, sendo que somente um terço delas foi prospectada. O consumo hoje é de mil toneladas/ano, o que seria suficiente para mais de 300 anos de fornecimento.
O Brasil na década de 80 assinou um tratado de salvaguardas com seu vizinho argentino. Foi um tratado equilibrado, pois previa reciprocidade. Muitos anos depois, foi obrigado a assinar um tratado de não proliferação nuclear, no final do governo de Fernando Henrique, visivelmente desequilibrado, pois só previu obrigações para o lado brasileiro, sem nenhuma contrapartida das grandes potências.
Tentam fazer com que o país assine um “protocolo adicional” que pode significar que o país abra sua tecnologia nuclear aos estrangeiros. Nenhum país do mundo fornece ou vende tecnologia nuclear sensível, como ficou claro no acordo nuclear Brasil-Alemanha na década de 70 do século passado, aliás, ainda em vigor.
Por tudo isso, soa muito estranha a prisão do vice-almirante Othon Luiz, ocorrida na chamada 16a fase da Operação Lava-Jato, por supostos recebimentos de 4,5 milhões de reais, na construção da Usina Angra 3.
Othon já foi investigado pelas próprias Forças Armadas e foi inocentado na década de 90, sendo certo que diversos comandantes militares não simpatizavam com seus projetos ou seus métodos.
Some-se a isto, a campanha contra a Petrobras, que estava em franca expansão com as descobertas do pré-sal, bem como a prisão do presidente da Odebrecht.
O desenvolvimento do reator que equipará o subnuc brasileiro vai sofrer atrasos e os vinte técnicos terão que ser remanejados com o contingenciamento das verbas, devido a intensa campanha da mídia, que acompanha o desenrolar da Operação Lava-Jato.
O projeto do VLS (veículo lançador de satélites) vem sofrendo constantes abalos e até suspeita de sabotagem. O moderno avião transporte de cargas e tropas, o KC-390 da Embraer, também sofrerá atrasos, devido ao ajuste fiscal do governo Dilma.
É inconcebível que um suposto combate à corrupção possa conduzir ao desmonte em programas estratégicos da nação. Seria até risível se pensar que americanos, russos ou franceses encarcerariam seus heróis, seus cientistas mais proeminentes, ainda que acusados de supostos desvios.
Portanto, somente aos estrangeiros ou seus prepostos no país, pode interessar o atraso ou o fim dos programas estratégicos brasileiros. É mais que hora de uma intervenção do governo ou, no mínimo, uma supervisão bem próxima da nossa contrainteligência para a verificação do que realmente está por trás das investigações da PF (FBI? CIA?), MPF e dos processos a cargo da 13a Vara Federal de Curitiba.
*Juiz de Direito do TJMG

6.3.16

Leopoldo María Panero




Proyecto de un beso


Te mataré mañana cuando la luna salga
y el primer somormujo me diga su palabra
te mataré mañana poco antes del alba
cuando estés en el lecho, perdida entre los sueños
y será como cópula o semen en los labios
como beso o abrazo, o como acción de gracias
te mataré mañana cuando la luna salga
y el primer somormujo me diga su palabra
y en el pico me traiga la orden de tu muerte
que será como beso o como acción de gracias
o como una oración porque el día no salga
te mataré mañana cuando la luna salga
y ladre el tercer perro en la hora novena
en el décimo árbol sin hojas ya ni savia
que nadie sabe ya por qué está en pie en la tierra
te mataré mañana cuando caiga la hoja
decimotercera al suelo de miseria
y serás tú una hoja o algún tordo pálido
que vuelve en el secreto remoto de la tarde
te mataré mañana, y pedirás perdón
por esa carne obscena, por ese sexo oscuro
que va a tener por falo el brillo de este hierro
que va a tener por beso el sepulcro, el olvido
te mataré mañana cuando la luna salga
y verás cómo eres de bella cuando muerta
toda llena de flores, y los brazos cruzados
y los labios cerrados como cuando rezabas
o cuando me implorabas otra vez la palabra


te mataré mañana cuando la luna salga,
y así desde aquel cielo que dicen las leyendas
pedirás ya mañana por mí y mi salvación
te mataré mañana cuando la luna salga
cuando veas a un ángel armado de una daga
desnudo y en silencio frente a tu cama pálida
te mataré mañana y verás que eyaculas
cuando pase aquel frío por entre tus dos piernas
te mataré mañana cuando la luna salga
te mataré mañana y amaré tu fantasma
y correré a tu tumba las noches en que ardan
de nuevo en ese falo tembloroso que tengo
los ensueños del sexo, los misterios del semen
y será así tu lápida para mí el primer lecho
para soñar con dioses, y árboles, y madres
para jugar también con los dados de noche
te mataré mañana cuando la luna salga
y el primer somormujo me diga su palabra.




El Circo


Dos atletas saltan de un lado a otro de mi alma
lanzando gritos y bromeando acerca de la vida:
y no sé sus nombres. Y en mi alma vacía escucho siempre
cómo se balancean los trapecios. Dos
atletas saltan de un lado a otro de mi alma
contentos de que esté tan vacía.
Y oigo
oigo en el espacio sonidos
una y otra vez el chirriar de los trapecios
una y otra vez.
Una mujer sin rostro canta de pie sobre mi alma,
una mujer sin rostro sobre mi alma en el suelo,
mi alma, mi alma: y repito esa palabra
no sé si como un niño llamando a su madre a la luz,
en confusos sonidos y con llantos, o bien simplemente
para hacer ver que no tiene sentido.
Mi alma. Mi alma
es como tierra dura que pisotean sin verla
caballos y carrozas y pies, y seres
que no existen y de cuyos ojos
mana mi sangre hoy, ayer, mañana. Seres
sin cabeza cantarán sobre mi tumba
una canción incomprensible.
Y se repartirán los huesos de mi alma.
Mi alma. Mi hermano muerto fuma un cigarrillo junto a mí.