31.12.15

Patti Smith





I had a black coat. A poet gave it to me some years ago on my fifty-seventh birthday. It had been his — an ill-fitting, unlined Comme des Garçons overcoat that I secretly coveted. On the morning of my birthday he told me he had no gift for me.
— I don’t need a gift, I said.
— But I want to give you something, whatever you wish for.
— Then I would like your black coat, I said.
And he smiled and gave it to me without hesitation or regret. Every time I put it on I felt like myself. The moths liked it as well and it was riddled with small holes along the hem, but I didn’t mind. The pockets had come unstitched at the seam and I lost everything I absentmindedly slipped into their holy caves. Every morning I got up, put on my coat and watch cap, grabbed my pen and notebook, and headed across Sixth Avenue to my café. I loved my coat and the café and my morning routine. It was the clearest and simplest expression of my solitary identity. But in this current run of harsh weather, I favored another coat to keep me warm and protect me from the wind. My black coat, more suitable for spring and fall, fell from my consciousness, and in this relatively short span it disappeared.

(In M Train, 2015.)


Os 4 cavaleiros do Apocalipse





via Flickr somewhere



30.12.15

Sandro Penna - "Le porte del mondo non sanno"



Le porte del mondo non sanno
che fuori la pioggia le cerca.
Le cerca. Le cerca. 
Paziente si perde, ritorna. 
La luce non sa della pioggia. 
La pioggia non sa della luce. 
Le porte, le porte del mondo son chiuse:
serrate alla pioggia,
serrate alla luce.



21.12.15

María Sabina



Soy una mujer que llora
Soy una mujer que escupe
Soy la mujer que mea
Soy una mujer que ya no da leche
Soy una mujer que habla
Soy una mujer que grita
Soy la mujer que vomita
Soy una mujer asquerosa pero sé luchar contra la muerte 

y contra las yerbas que crían el veneno
Soy una mujer que da la vida
Soy una mujer que ya no pare
Soy una mujer que flota sobre las aguas
Soy una mujer que vuela por los aires
Soy una mujer del aire
Soy una mujer que bebe el humo
Soy una mujer que bebe la sangre de los corderos
Soy una mujer que bege la sangre de los muertos
Soy una mujer que bebe la sangre del león
Soy una mujer que bebe la sangre de los niños
Soy una mujer que bebe la sangre de los mozos
Soy una mujer que bebe el humo
Soy una mujer que bebe el humo
Soy una mujer que bebe el humo
Soy una mujer de luz
Soy una mujer que anda sola
Soy una mujer que anda sola
Sou una mujer derribada
Soy una mujer pura
Soy una mujer hambirenta y sedienta

Soy una mujer sin memoria
Soy una mujer de trapo
Soy una mujer que no miente
Soy una mujer que tampoco miente
Soy una mujer metida en un baúl estrecho
Soy una mujer que come flores
Soy una mujer que come peces vivos y saltamontes
Soy una mujer capaz de pasar hambres
Soy una mujer que pasa hambres
Soy una mujer que pasa muchas hambres
Soy una mujer que no recuerda haber comido jamás
Soy una mujer a que cocieron en chocolate
Soy una mujer calva
Soy una mujer a la que dejaron calva rociándole la cabeza con chocolate
Soy una mujer sin lengua
Soy una mujer de palo
Soy una mujer con ojos que ni miran ni brillan
Soy una mujer que ve en la tiniebla
Soy una mujer que palpa la gota de rocio posada sobre la yerba
Soy una mujer a la que asesinó el marido hace ya muchos años
Soy una mujer que murió en la cárcel porqué fue acusada de haber asesinado a su marido
Soy una mujer que efectivamente asesinó a su marido
Soy una mujer valerosa y que no tiembla
Soy una mujer que duerme sola
Soy una mujer de arena
Soy una mujer que vela eternamente
Soy una mujer que tiene un agujero en la garganta....




14.12.15

Sandro Penna - "Amore, gioventù, liete parole"



Amore, gioventù, liete parole,
cosa splende su voi e vi dissecca?
Resta un odore come merda secca
lungo le siepi cariche di sole. 




7.12.15

"Branca Dias”, de Edu Lobo com letra de Cacaso





Esse soluço que ouço, que ouço
Será o vento passando, passando
Pela garganta da noite, da noite
A sua lâmina fria, tão fria
Será o vento cortando, cortando
Com sua foice macia, macia
Será um poço profundo, profundo
Alvoroço, agonia
Será a fúria do vento querendo
Levar teu corpo de moça tão puro
Pelo caminho mais longo e escuro
Pela viagem mais fria e sombria
Esse seu corpo de moça tão branco
Que no clarão do luar se despia
Será o vento noturno clamando
Alvoroço, agonia
Será o espanto do vento querendo
Levar teu corpo de moça tão puro
Pelo caminho mais longo e escuro
Pela viagem mais fria e sombria
Esse soluço que ouço, que ouço
Esse soluço que ouço, que ouço




Bern Porter

York Chang

5.11.15

8 poemas de Orides Fontela



Viagem

Viajar
mas não
para

viajar
mas sem
onde

sem rota sem ciclo sem círculo
sem finalidade possível.

Viajar
e nem sequer sonhar-se
esta viagem.


HAMLET

... mais filosofias
que coisas!




Esfinge

Não há perguntas. Selvagem
o silêncio cresce, difícil.


Tópicos de uma caleidoscópica escrita

O fluxo obriga 
qualquer flor 
a abrigar-se em si mesma 
sem memória 


Meio-dia


Ao meio-dia a vida 
É impossível.
A luz destrói os segredos: 
A luz é crua contra os olhos
Ácida para o espírito.

A luz é demais para os homens. 
(Porém como o saberias 
Quando vieste à luz
De ti mesmo?)

Meio-dia! Meio-dia! 
A vida é lúcida e impossível.


Meada

Uma trança desfaz-se: 
calmamente as mãos 
soltam os fios 
inutilizam 
o amorosamente tramado. 

Uma trança desfaz-se:
 as mãos buscam o fundo
da rede inesgotável 
anulando a trama 
e a forma.

Uma trança desfaz-se: 
as mãos buscam o fim 
do tempo e o início 
de si mesmas, antes 
da trama criada.

as mãos destroem, procurando-se 
antes da trança e da memória. 



Vemos por espelhos

Vemos por espelho
e enigma
(mas haverá outra forma
de ver?)

O espelho dissolve
o tempo
o espelho aprofunda
o enigma
o espelho devora

a face. 

METAFÍSICA
Peixe
pescado
Descobre o ar
Não volta 
pra contar

(...)




27.10.15

Mario Montalbetti


OBJETO Y FIN DEL POEMA
Es de noche y tiene que aterrizar
antes de que se acabe el combustible.
Así terminan todos sus poemas,
tratando de expresar con un lenguaje
público un sentimiento privado.
Su ambición es el lenguaje del piloto
hablándole a los pasajeros
en medio de una situación desesperada:
parte engaño, parte esperanza, parte verdad.
Todos los poemas terminan igual.
Hechos pedazos contra un cerro obscuro
que no estaba en las cartas.
Luego hayan los restos: el fuselaje,
la cola como siempre, intacta,
el olor a cosa quemada consumida por el fuego.
Pero ninguna palabra sobrevive.

10.10.15

6 poemas de Simone de Andrade Neves






Batismo

Manhã de junho
Eu, criança-objeto,
dou as mãos ao
menino boina-bombachinha
e seguimos nós,
eu e o menino,
a caminhar por uma rua disforme
paralelepípedos angulares,
solares fios dos cabelos infantis,
sem trocar palavras
seguíamos no percurso atemporal
e apertávamos as nossas mãos
nas leves descidas.
Sorrisos entreabertos nos tropecinhos.
A rua terminou no azul
E nós, eu e o menino,
mergulhamos no mais
silencioso e nevrálgico
dos países: o dos Andrade.


Formatação


Caibo dentro de
uma lata de sardinha.
Ao olhar de fora
verás o conteúdo: verde.
Como Cabo Verde. 


Dentro do sonho
ouço o trotar de um cavalo
e oco de rosetas.
É ele!
paramento e montaria,
no amparo de um arreio de prata
passando a vila em revista

absorto em ofício sacerdotal,
na vigília,
ignora
a disritmia do meu coração.


Timidez

Move, contida, as ancas
ri em parcelas
na horizontal, carnaval.


O tempo abranda as coisas

O Sol
fez branco
o terço rosa
deixado
sobre o túmulo.


Retoques


O fotógrafo 
do outro lado da rua
porta e meia
embaixo do casarão
revela lápis de pontas muito finas.
E os seus dedos, finos quais,
deslizam no contorno dos olhos vesgos,
na precisão de fazer 
todos iguais.




15.9.15

Alejandra Pizarnik



La Verdad del Bosque


Como un golfo de soles este espacio hermético y transparente: una esfera de cristal con el sol adentro; con un cuerpo dorado (un ausente, querido tú) con una cabeza donde brillan los ojos más azules delante de sol en la esfera transparente.
La acción transcurre en el desierto y qué
sola atravesé mi infancia como caperucita el bosque antes del encuentro feroz. Qué sola llevando una cesta, qué inocente, qué decorosa y bien dispuesta, pero nos devoraron a todos porque ¿para qué sirven las palabras si no pueden constatar que nos devoraron? —dijo la abuela.
Pero de la mía no se vistió el lobo. El bosque no es verde sino en el cerebro. La abuela dio a luz a mi madre quien a su vez me dio a tierra, y todo gracias a mi imaginación. Pero allí, en mi pequeño teatro, el lobo las devoró. En cuanto al lobo, lo recorté y lo pegué en mi cuaderno escolar. En suma, en esta vida me deben el festín.
—¿Y a esto llamas vida? —dijo la abuela.


11.9.15

Why did I tell you I was goin' to Shanghai



Who's gonna kiss me
Who's gonna thrill me
Who's gonna hold me tight
Tonight

Why did I tell you I was goin' to Shanghai
I want to be with you tonight
Why did I holler I was goin' to Shanghai
I want to be with you tonight

It was just a little misunderstanding
That a kiss on the cheek could patch
I need you so badly
I'd gladly start all over from scratch

Oh, why did I tell you it was bye-bye for Shanghai
I'm even allergic to rice
Why don't you stop me when I talk about Shanghai
It's just a lover's device

Now who's gonna kiss me
Who's gonna thrill me
Who's gonna hold me tight
I'm right around the corner in the phone booth
And I wanna be with you tonight


4.9.15

Herberto Helder





Minha cabeça estremece com todo o esquecimento. Eu procuro dizer como tudo é outra coisa. Falo, penso. Sonho sobre os tremendos ossos dos pés. É sempre outra coisa, uma só coisa coberta de nomes. E a morte passa de boca em boca com a leve saliva, com o terror que há sempre no fundo informulado de uma vida. Sei que os campos imaginam as suas próprias rosas. As pessoas imaginam os seus próprios campos de rosas. E às vezes estou na frente dos campos como se morresse; outras, como se agora somente eu pudesse acordar.

Por vezes tudo se ilumina. Por vezes canta e sangra. Eu digo que ninguém se perdoa no tempo. Que a loucura tem espinhos como uma garganta. Eu digo: roda ao longe o outono, e o que é o outono? As pálpebras batem contra o grande dia masculino do pensamento. Deito coisas vivas e mortas no espírito da obra. Minha vida extasia-se como uma câmara de tochas. - Era uma casa - como direi? - absoluta. Eu jogo, eu juro. Era uma casinfância. Sei como era uma casa louca. Eu metia as mãos na água: adormecia, relembrava. Os espelhos rachavam-se contra a nossa mocidade.

Apalpo agora o girar das brutais, líricas rodas da vida. Há no esquecimento, ou na lembrança total das coisas, uma rosa como uma alta cabeça, um peixe como um movimento rápido e severo. Uma rosapeixe dentro da minha ideia desvairada. Há copos, garfos inebriados dentro de mim. - Porque o amor das coisas no seu tempo futuro é terrivelmente profundo, é suave, devastador.

As cadeiras ardiam nos lugares. Minhas irmãs habitavam ao cimo do movimento como seres pasmados. Às vezes riam alto. Teciam-se em seu escuro terrífico. A menstruação sonhava podre dentro delas, à boca da noite. Cantava muito baixo. Parecia fluir. Rodear as mesas, as penumbras fulminadas. Chovia nas noites terrestres. Eu quero gritar paralém da loucura terrestre. - Era húmido, destilado, inspirado. Havia rigor. Oh, exemplo extremo. Havia uma essência de oficina. Uma matéria sensacional no segredo das fruteiras, com as suas maçãs centrípetas e as uvas pendidas sobre a maturidade. Havia a magnólia quente de um gato. Gato que entrava pelas mãos, ou magnólia que saía da mão para o rosto da mãe sombriamente pura. Ah, mãe louca à volta, sentadamente completa. As mãos tocavam por cima do ardor a carne como um pedaço extasiado.

Era uma casabsoluta - como direi? - um sentimento onde algumas pessoas morreriam. Demência para sorrir elevadamente. Ter amoras, folhas verdes, espinhos com pequena treva por todos os cantos. Nome no espírito como uma rosapeixe. - Prefiro enlouquecer nos corredores arqueados agora nas palavras. Prefiro cantar nas varandas interiores. Porque havia escadas e mulheres que paravam minadas de inteligência. O corpo sem rosáceas, a linguagem para amar e ruminar. O leite cantante. Eu agora mergulho e ascendo como um copo. Trago para cima essa imagem de água interna. - Caneta do poema dissolvida no sentido primacial do poema. Ou o poema subindo pela caneta, atravessando seu próprio impulso, poema regressando. Tudo se levanta como um cravo, uma faca levantada. Tudo morre o seu nome noutro nome.

Poema não saindo do poder da loucura. Poema como base inconcreta de criação. Ah, pensar com delicadeza, imaginar com ferocidade. Porque eu sou uma vida com furibunda melancolia, com furibunda concepção. Com alguma ironia furibunda. Sou uma devastação inteligente. Com malmequeres fabulosos. Ouro por cima. A madrugada ou a noite triste tocadas em trompete. Sou alguma coisa audível, sensível. Um movimento. Cadeira congeminando-se na bacia, feita o sentar-se. Ou flores bebendo a jarra. O silêncio estrutural das flores. E a mesa por baixo. A sonhar.



2.9.15

...







Anne Sexton





The Sickness Unto Death

God went out of me
as if the sea dried up like sandpaper,
as if the sun became a latrine.
God went out of my fingers.
They became stone.
My body became a side of mutton
and despair roamed the slaughterhouse.
Someone brought me oranges in my despair
but I could not eat a one
for God was in that orange.
I could not touch what did not belong to me.
The priest came,
he said God was even in Hitler.
I did not believe him
for if God were in Hitler
then God would be in me.
I did not hear the bird sounds.
They had left.
I did not see the speechless clouds,
I saw only the little white dish of my faith
breaking in the crater.
I kept saying:
I’ve got to have something to hold on to.
People gave me Bibles, crucifixes,
a yellow daisy,
but I could not touch them,
I who was a house full of bowel movement,
I who was a defaced altar,
I who wanted to crawl toward God
could not move nor eat bread.
So I ate myself,
bite by bite,
and the tears washed me,
wave after cowardly wave,
swallowing canker after canker
and Jesus stood over me looking down
and He laughed to find me gone,
and put His mouth to mine
and gave me His air.
My kindred, my brother, I said
and gave the yellow daisy
to the crazy woman in the next bed.




18.8.15

André Breton -- A união livre




A união livre


Minha mulher com a cabeleira de fogo de lenha
Com pensamentos de relâmpagos de calor
Com a cintura de ampulheta
Minha mulher com a cintura de lontra entre os dentes de tigre
Minha mulher com a boca de emblema e de buquê de estrelas de primeira grandeza
Com dentes de rastros de rato branco sobre a terra branca
Com a língua de âmbar e vidro friccionado
Minha mulher com a língua de hóstia apunhalada
Com a língua de boneca que abre e fecha os olhos
Com a língua de pedra inacreditável
Minha mulher com cílios de lápis de cor para crianças
Com sobrancelhas de borda de ninho de andorinha
Minha mulher com têmporas de ardósia de teto de estufa
E de vapor nos vidros
Minha mulher com ombros de champanhe
E de fonte com cabeças de golfinhos sob o gelo
Minha mulher com pulsos de palitos de fósforo
Minha mulher com dedos de acaso e ás de copas
Com dedos de feno ceifado
Minha mulher com as axilas de marta e faia
De noite de São João
De ligustro e de ninho de carás
Com braços de espuma de mar e de eclusa
E mistura do trigo e do moinho
Minha mulher com pernas de foguete
Com movimentos de relojoaria e desespero
Minha mulher com panturrilhas de polpa de sabugueiro

Minha mulher com pés de iniciais
Com pés de molhos de chaves com pés de calafates que bebem
Minha mulher com pescoço de cevada perolada
Minha mulher com a garganta do Vale do Ouro
De encontro no próprio leito da correnteza
Com os seios de noite
Minha mulher com os seios de toupeira marinha
Minha mulher com os seios de crisol de rubis
Com os seios de espectro da rosa sob o orvalho
Minha mulher com o ventre a desdobrar-se no leque dos dias
Com ventre de garra gigante
Minha mulher com o dorso de pássaro que voa vertical
Com dorso de mercúrio
Com dorso de luz
Com a nuca de pedra rolada e giz molhado
E queda de um copo do qual se acaba de beber
Minha mulher com os quadris de escaler
Com os quadris de lustre e penas de flecha
E de caule de plumas de pavão branco
De balança insensível
Minha mulher com nádegas de arenito e amianto
Minha mulher com nádegas de dorso de cisne
Minha mulher com nádegas de primavera
Com sexo de lírio roxo
Minha mulher com o sexo de jazida de ouro e de ornitorrinco
Minha mulher com o sexo de algas e bombons antigos

Minha mulher com o sexo de espelho
Minha mulher com olhos cheios de lágrimas
Com olhos de panóplia violeta e agulha imantada
Minha mulher com olhos de savana
Minha mulher com olhos d’água para beber na prisão
Minha mulher com olhos de lenha sempre sob o machado
Com olhos de nível d’água de nível do ar de terra e de fogo.



(trad. de Claudio Willer)


8.8.15

4 poemas de Amiri Baraka (aka LeRoi Jones)



Monday in B-Flat

I can pray
    all day
    & God
    wont come.

But if I call
            911
        The Devil
            Be here

        in a minute! 




Wise I

    WHYS (Nobody Knows
    The Trouble I Seen)
    
Traditional

If you ever find
yourself, some where
lost and surrounded
by enemies
who won't let you
speak in your own language
who destroy your statues
& instruments, who ban
your omm bomm ba boom
then you are in trouble
deep trouble
they ban your
own boom ba boom
you in deep deep
trouble


humph!

probably take you several hundred years
to get
out!



Incident

He came back and shot. He shot him. When he came
back, he shot, and he fell, stumbling, past the
shadow wood, down, shot, dying, dead, to full halt.
At the bottom, bleeding, shot dead. He died then, there
after the fall, the speeding bullet, tore his face
and blood sprayed fine over the killer and the grey light.
Pictures of the dead man, are everywhere. And his spirit
sucks up the light. But he died in darkness darker than
his soul and everything tumbled blindly with him dying
down the stairs.
We have no word
on the killer, except he came back, from somewhere
to do what he did. And shot only once into his victim's
stare, and left him quickly when the blood ran out. We know
the killer was skillful, quick and silent, and that the victim
probably knew him. Other than that, aside from the caked sourness
of the dead man's expression, and the cool surprise in the fixture
of his hands and fingers, we know nothing 



Notes for a Speech

African blues
does not know me. Their steps, in sands
of their own
land. A country
in black & white, newspapers
blown down pavements
of the world. Does
not feel
what I am.

Strength

in the dream, an oblique
suckling of nerve, the wind
throws up sand, eyes
are something locked in
hate, of hate, of hate, to
walk abroad, they conduct
their deaths apart
from my own. Those
heads, I call
my 'people.'

(And who are they. People. To concern

myself, ugly man. Who
you, to concern
the white flat stomachs
of maidens, inside houses
dying. Black. Peeled moon
light on my fingers
move under
her clothes. Where
is her husband. Black
words throw up sand
to eyes, fingers of
their private dead. Whose
soul, eyes, in sand. My color
is not theirs. Lighter, white man
talk. They shy away. My own
dead souls, my, so called
people. Africa
is a foreign place. You are
as any other sad man here
american.