25.4.14

Angélica Freitas




 um poema


quando tinha 19 anos
trabalhei num mercadinho
arrumava as prateleiras
tirava o pó das latas e caixas 
colava etiquetas de preço
deixava tudo parelho
e olhava e gostava
do que tinha feito
'as coisas que vendem mais
ficam ao nível dos olhos'
o dono me dizia
(do que as pessoas
precisam?
e estas latas de tomates
baixo, ponho em oferta?
'não, se você terminou
as prateleiras
pode limpar o depósito'
eu ia e comia chocolates
escondida no depósito)
o homem, às vezes
elogiava minha organização
e limpeza, nunca 
o meu julgamento
enfim, ainda penso 
naquele mercadinho
quando leio alguns (meus,
de outros) poemas.