24.9.12

Samuel Butler



He was in LOGIC a great critic, Profoundly skill'd in analytic; He could distinguish, and divide A hair 'twixt south, and south-west side: On either which he would dispute, Confute, change hands, and still confute, He'd undertake to prove, by force Of argument, a man's no horse; He'd prove a buzzard is no fowl, And that a lord may be an owl, A calf an alderman, a goose a justice, And rooks Committee-men and Trustees. He'd run in debt by disputation, And pay with ratiocination. All this by syllogism, true In mood and figure, he would do. For RHETORIC, he could not ope His mouth, but out there flew a trope; And when he happen'd to break off I' th' middle of his speech, or cough, H' had hard words,ready to show why, And tell what rules he did it by; Else, when with greatest art he spoke, You'd think he talk'd like other folk, For all a rhetorician's rules Teach nothing but to name his tools. His ordinary rate of speech In loftiness of sound was rich; A Babylonish dialect, Which learned pedants much affect. It was a parti-colour'd dress Of patch'd and pie-bald languages; 'Twas English cut on Greek and Latin, Like fustian heretofore on satin; It had an odd promiscuous tone, As if h' had talk'd three parts in one; Which made some think, when he did gabble, Th' had heard three labourers of Babel; Or CERBERUS himself pronounce A leash of languages at once.



(In "Hudibras", Parte I, Canto I, séc. 17.)


6.9.12



A sra. Escovedo não acha mais papel carbono 
nas duas papelarias de sua cidade. 
Ela só precisa das papelarias e da cidade 
porque precisa do papel carbono. 
A sra. Escovedo é Rosita. 
Ninguém chama de Rosita a bisneta 
do ex-governador geral sem pagar nada. 
A sra. Escovedo também não saía de graça. 
Tinha medo dos objetos. 
Toda segunda-feira o senhor cura abençoava portas, 
fechaduras, baús, roupa de cama, panelas, xícaras de chá. 
E o missal, intocado. 
Além dos doze poodles, 
únicos seres vivos de quem dependia e 
com quem conversava por temê-los. 
A sra. Escovedo gostava de ler mas não gostava de livros. 
Nos livros nunca sabia onde entrava a mentira 
e por onde saía a verdade. 
Por isso, quando queria ler, ela mesma escrevia e se lia. 
Sem costuras, de alto a baixo. 
Nos livros havia gente demais. 
Quando ela mesma escrevia, aquela gente toda ia embora. 
E ficava o silêncio. Como uma graça alcançada. 
Tanto odiava livros que sua memória não os retinha. 
O que lia por sua própria caligrafia não esquecia. 
Desenhava as letras com esmero. 
O carbono entre as duas folhas. 
Uma para ela, outra para Rosita. 
A sra. Escovedo tinha preferência por letras com pernas. 
Falava de jejuns e vigílias. 
Dos fantasmas que amedrontam crianças que choram. 
De joelhos dobrados e mãos postas. 
Do martírio. 
Tudo verdade sem vírgulas. 
Rosita preferia os poemas. 
Que falassem da Lua Nova, do mar e suas vontades. 
Muito mais do que das flores, que falassem de bananas fritas. 
A sra. Escovedo se ria de Rosita, sua cabra-cega. 
A hóstia presa na âmbula. 
De olhos vendados e poesia, 
Rosita jamais conseguiria pegá-la. 
Assentavam bem melhor nela do que em mim.


2.9.12

Townes Van Zandt



Waiting Around To Die


Sometimes I don't know where this dirty road is taking me
Sometimes I can't even see the reason why
I guess I keep on gamblin', lots of booze and lots of ramblin'
It's easier than just a-waitin' 'round to die

One-time friends I had a ma, I even had a pa
He beat her with a belt once 'cause she cried
She told him to take care of me, she headed down to Tennessee
It's easier than just a-waitin' 'round to die

I came of age and found a girl in a Tuscaloosa bar
She cleaned me out and hit it on the sly
I tried to kill the pain, I bought some booze and hopped a train
Seemed easier than just a-waitin' 'round to die

A friend said he knew where some easy money was
We robbed a man and brother did we fly
The posse caught up with me, drug me back to Muskogee
It's two long years, just a-waitin' 'round to die 

Now I'm out of prison, I got me a friend at last
He don't drink or steal or cheat or lie
His name's codeine, he's the nicest thing I've seen
Together we're gonna wait around and die


1.9.12

BR-040





SMS 1

Tenho algumas bocas pra sustentar além da minha, Alfredo.
Não posso fazer poemas 24 horas nos dias em que o
poema não está em casa. Há uma espécie de verdade
ou convicção de que aquilo que te conforta tudo
pode. Não posso, Alfredo. Que as coisas
entendam como puderem.


SMS 2

Não vou ler um tostão de Mainardi. Pense o que quiser.
A wop bop a loo lop a lop bam boo. Me mande uma
cópia da Carta Régia de D. Manuel este fds.


SMS 3

Qual é mesmo o nome daquele hotel em Istambul
que tem poemas de amor turcos nas portas
em vez de números? Uma última batida
do coração.


SMS 4

Ela ainda sempre me abraça voltada para
a câmera. Me procura só por ser de noite.
Vai embora comendo um cacho de uvas.
Estendo as pernas em água morna.
Sei o que você está pensando.
Nunca peço. Tenho minhas razões.
E um jogo de pele.
Do contrário, nunca nos vemos.
Trocou seu tablet por um chihuahua?


SMS 5

Como os poetas são helenistas!
Meus intestinos batem escanteio.


SMS 6

"Quando ouço o que ouço e vejo
o que vejo, tenho razão de pensar
o que penso." Lembra deste
filme? Comprei uma Barbie
Princesa do Camboja pra
tua filha. Estou levando.