27.4.12


Photobucket

Photobucket








Não há emoção maior para um poeta

do que ver pela primeira vez

seu nome impresso numa revista.

23.4.12

Jacques Rigaut



Meu livro de cabeceira é um revólver.




























Eu queria tanto ser amado
que parece que amo.





-

20.4.12

Real Sally







A Sally Bowles de Liza Minnelli, versão de Bob Fosse para o cinema, 1972.















A verdadeira Sally Bowles, Jean Ross. A cantora e atriz britânica vivia na Berlim pré-nazista quando lá conheceu em 1931 Christopher Isherwood, que baseou-se nela para a posterior criação do famoso personagem, embora no final de sua vida o autor tenha admitido que pouco se lembrava de Jean Ross. A verdadeira Sally Bowles era uma ativista política extremamente inteligente e dinâmica, na vida real pouco tendo a ver com a frágil e insegura personagem criada pelo autor. Casada com o autor Claud Cockburn, Jean Ross morreu em 1973 e nunca quis comentar muito sobre o personagem a que serviu de modelo.









-

16.4.12













Virados para a meia-noite, os intestinos de Nereu são um vozerio de homens ao mar. Daquele lado ou do seu contrário. Por isso ele me pede a cada manhã que conduza mais célere os acontecimentos na cozinha. Nunca hei de perdoar-lhe meus pessegueiros afogados. O meu estado de alma – esta linha do horizonte que o sol não atinge mais. Orgulhoso dos méritos de sua digestão, que expressa por som e imagem, não é pequeno o desejo de vê-lo morrer pendurado em um deles enquanto descasco um continente de batatas tomando-me pela mão. Batatas não me levam muito longe. Não à Muralha da China. Abacate limão podre tangerina. Porque tudo isso se encontra por aí, plantas para o tempo arrancar, com toda a raiz. Vasos cheios de amor, sem ninguém a lhes tocar. Pão fresco. Derrotando por um fino curso d’água que paga caro pelo que arrasta, não vou muito longe. Não vou. Depois que as chuvas refrescam o ar, a lua segue o seu destino. Ou volta para casa. Ninguém deve sair à superfície após o terceiro toque.


***

14.4.12

Saraceni

















Em seu décimo aniversário, o blog Prosa Caótica presta uma 
homenagem ao cineasta Paulo César Saraceni falecido hoje, 
postando seu documentário de 1959, Arraial do Cabo
na época uma pequena aldeia de pescadores no litoral 
do Rio de Janeiro e que até hoje exibe umas das 
mais belas praias do mundo.





-