29.9.11

Wilfred Owen



Dulce et decorum est


Recurvados, como velhos mendigos sob sacos,
Cambaios, tossindo feito bruxas enrugadas, praguejamos no lodaçal,
Até que, à luz melancólica dos sinalizadores, viramos as costas
E começamos a longa caminhada rumo ao repouso distante.
Homens marchavam dormindo. Muitos haviam perdido as botas
Mas, sangrando, prosseguiam. Todos mancando; todos cegos;
Bêbados de cansaço; surdos mesmo ao som
Dos obuses sonolentos que caíam atrás de nós.

Gás! Gás! Rápido, rapazes! – O êxtase de procurar e
De ajeitar, bem a tempo, as máscaras malfeitas;
Mas alguém ainda gritava e tropeçava
Debatendo-se como um homem em chamas ou coberto de cal viva...
Opaco, através das lentes embaçadas e da espessa luz verde,
Como sob um verde mar, eu o vi se afogar.

Em todos os meus sonhos, diante de meus olhos inúteis,
Ele se lança sobre mim, sufocando, engasgando, afogando.

Se em algum sonho sufocante você também pudesse passar
Atrás do vagão onde o atiramos,
E ver os olhos brancos contorcendo-se em seu rosto,
Naquele rosto sem vida, qual um demônio cansado de pecar;
Se você pudesse ouvir, a cada solavanco, o sangue
Brotar gargarejando dos pulmões cheios de espuma,
Obsceno como o câncer, amargo como o vômito
De feridas vis e incuráveis em línguas inocentes,
Meu amigo, você não diria com tanto brio
Às crianças ansiosas por uma glória desesperada
A velha Mentira: Dulce et decorum est
Pro patria mori.

Wilfred Owen, 1917.-

27.9.11

Da urina faça-se luz




Protocolo do experimento:


Pegue uma Quantidade de Urina (para o Experimento, não menos do que 50 ou 60 Baldes cheios); deixe-a descansar em uma ou mais banheiras, ou em um Barril de Madeira de carvalho, até que ela apodreça e produza vermes, o que ocorrerá em 14 ou 15 dias. Depois, numa chaleira grande, coloque um pouco da urina para ferver em fogo alto e verta mais à medida que ela se consome e evapora e assim até que, ao final, toda a Quantidade seja reduzida a uma Pasta, ou um Carvão duro, ou uma Crosta, que é o que vai parecer; e isto pode ser feito em dois ou três Dias, se o Fogo for bem mantido, caso contrário pode levar Quinze dias ou mais. Então pegue a mencionada Pasta, ou Carvão; moa-o até virar pó e acrescente Água, até uns 15 Dedos de altura, ou quatro Vezes mais do que a quantidade de Pó; e ferva-os juntos por ¼ de Hora. Em seguida coe o Líquido num pano de lã; a sobra pode ser descartada, e o Licor coado deve ser fervido até formar um Sal, o que levará algumas Horas.

Após isso acrescente um pouco de Caput Mortuum (ou "cabeça da morte", encontrada em qualquer boticário) ao sal e adicione álcool à mistura resultante para que se transforme numa espécie de Papa.

Em seguida evapore tudo em Areia morna e restará um Sal vermelho ou avermelhado. Pegue este Sal, coloque-o numa retorta e, na primeira hora, comece com um Fogo brando; aumente-o na segunda, mais forte na 3ª e mais ainda na 4ª; depois prossiga, com o fogo mais alto que puder, por 24 Horas. Às vezes, pela Força do Fogo, 12 Horas são suficientes; porque quando vir o Recipiente branco brilhando com o Fogo e não houver mais Lampejos, ou como se fossem Rajadas de Vento que de vez em quando saíssem da retorta, o trabalho estará terminado. E pode-se, com Plumas, juntar o Fogo, ou raspá-lo com uma Faca, quando ele grudar.

O Fogo fica mais bem preservado num Recipiente de Chumbo, lacrado para não entrar Ar. Mas para vê-lo, também pode ser colocado num Vidro, em Água, onde ele brilhará no escuro...



Robert Hooke, membro da Royal Society, em anotações raras publicadas em 1726. Os alquimistas pesquisavam a pedra filosofal e acabaram descobrindo o phosphorus mirabilis, o maravilhoso portador da luz. Em William Derham, Philosophical Experiments and Observations of the Late Eminent Dr Robert Hooke FRS...and Other Eminent Virtuoso's of his Time, Londres, 1726.


-

16.9.11




-- Todo mundo se pergunta o que Ted Hughes vai fazer quando esgotar os animais.

-- Poetas não esgotam seus temas como acontece com os romancistas. Eles não dependem tanto do conteúdo.



(Julian Barnes, "Sense of An Ending". Na foto Hughes, talvez compondo "View of a Pig"?)

-

13.9.11






um bom lugar para se trabalhar


todo mundo tem seu assassino no quarto dos fundos,
diz Tia Thally recheando um cream cracker
com miolos do Petiso Orejudo da esquerda
para a direita na mecânica das cartas líricas

pêssegos & penumbras
nosso apartamento sofre a influência
de todos os apartamentos em volta
naqueles poucos segundos de costas


-

9.9.11

Colecionando caras nas redes sociais.
Colecionando moedas sérvias.
Colecionando amigos mortos caixinhas de fósforo.
Colecionando poemas na gaveta do meio.
Colecionando CDs DVDs poeira.
Colecionando bolas de tênis com e sem pelo.
Colecionando eu-te-amo-mas-não-vai-dar.
Colecionando livros, ah sim os livros.
Colecionando celulares velhos.
Pilhas baterias e fichinhas de ônibus.
Colecionando plantas pimentas o antúrio da mãe morta.
Colecionando agendas de amigos que não telefonam.
Colecionando bibliotecas no Facebook.
Colecionando velas e lanternas, cantos escuros e Lúcio Cardoso.
Colecionando fotos amarelas praias distantes sorrisos posados.
Colecionando cigarros fumados copos bebidos camisetas puídas.
Colecionando palavras gentis em e-mails e mensagens eletrônicas.
Colecionando mentiras.

Colecionando sem comentários.
Colecionando aparelhos de TV relógios termômetros cartões-postais.
Colecionando sacolas beijos promessas juras internas cheiros.
Colecionando lençóis coloridos sobretudo brancos e fronhas.
Colecionando pesadelos ansiolíticos vitaminas cabelos brancos.
Colecionando gibis revistas literárias dicionários de fobias e filosofia.
Colecionando isqueiros.
Pedras e pedrinhas. Gozo dolorido.
O ódio alheio invejas aquele latifúndio.
Colecionando óculos lentes binóculos passarinhos à distância.
Colecionando cachorros gatos gambás coelhos galos e galinhas.
Noites sem dormir. Estações de rádio nos rádios.
Colecionando pensamentos positivos e epitáfios.
Colecionando canetas réguas borrachas papel cadernos vazios.
Rabiscos alfaces tomates dias de chuva.
O fogo aceso lenha queimando.
Colecionando braçadas na piscina.
Os minutos sem respirar.
Colecionando você indo embora e voltando.
Calendários ímãs bicicletas de duendes.
Colecionando acima de tudo facas.
Exames de sangue urina fezes.
Colecionando a sua paciência numa raquete.
Colecionando chocolates, claro, chocolates.
Talões de cheque. Qual o seu preço?
Colecionando pegadas na areia quente.
Vertigens dor de estômago pomadas sombras azuis.
Gente atrás da porta. Já-te-esqueci. Pneu furado. Vidro, muito vidro.
Colecionando milhagens e um adesivo na traseira:
Life is Good.


-

5.9.11

A prateleira de cima


Ninguém sabia melhor do que ela
que ele não devia fumar.
E pegou o revólver.

A calma do jeito que resolveu ter.
Com duas mudas de fronhas.


-

3.9.11

Arear as panelas de alumínio.
Arear bem as panelas de alumínio.
E descansar na pedra quente do sol.

Descansar bem.


-