23.12.10

António José Forte




Ainda não


Ainda não
não há dinheiro para partir de vez
não há espaço de mais para ficar
ainda não se pode abrir uma veia
e morrer antes de alguém chegar

ainda não há uma flor na boca
para os poetas que estão aqui de passagem
e outra escarlate na alma
para os postos à margem

ainda não há nada no pulmão direito
ainda não se respira como devia ser
ainda não é por isso que choramos às vezes
e que outras somos heróis a valer

ainda não é a pátria que é uma maçada
nem estar deste lado que custa a cabeça
ainda não há uma escada e outra escada depois
para descer à frente de quem quer que desça

ainda não há camas só para pesadelos
ainda não se ama só no chão
ainda não há uma granada
ainda não há um coração

-----------------------


Poema


Alguma coisa onde tu parada
fosses depois das lágrimas uma ilha,
e eu chegasse para dizer-te adeus
de repente na curva duma estrada

alguma coisa onde a tua mão
escrevesse cartas para chover
e eu partisse a fumar
e o fumo fosse para se ler

alguma coisa onde tu ao norte
beijasses nos olhos os navios
e eu rasgasse o teu retrato
para vê-lo passar na direcção dos rios

alguma coisa onde tu corresses
numa rua com portas para o mar
e eu morresse
para ouvir-te sonhar

-

20.12.10

Kafka





Não é necessário sair de casa.
Permaneça em sua mesa e ouça.
Não apenas ouça, espere.
Não apenas espere, fique sozinho em silêncio.
Então o mundo se apresentará desmascarado.
Em êxtase, se dobrará a seus pés.



Kafka

4.12.10

Rodrigo de Souza Leão




me sinto uma chupeta
de baleia

que a cada fim do verso
se tateia

pra ver se ainda há vida
na veia

há poema enquanto houver
centeia

e esta fagulha vivificando
é a máquina pedindo
me leia

-

1.12.10

Adília Lopes



PRÉMIO


Em 72 recebi
o prémio literário
dos pensos rápidos Band-Aid
o prémio foi uma bicicleta
às vezes penso
que me deram uma bicicleta
para eu cair
e ter de comprar pensos
rápidos
Band-Aid
é o que penso dos prémios literários
em geral

-