7.9.08




se eu crescer no futuro
serei como ela
e casarei com meu pai
-- que homem extraordinário,
dizia o açougueiro da esquina,
irei para a universidade,
os modernistas paulistas
já me escorrendo da boca
com pizza e grapette,
mas não há só isto
ou onde foi isto
há sim uma geladeira
a robert frost
e as folhas de um dicionário
de latim presas por elástico,
escrevo sobre a luz,
com os corpos dos insetos
que vou matando,
de minha caça-níqueis mental
caem um livro de Jung
sobre correção ortográfica
e um pacotinho de amendoim,
a perna que faltava
do Tescatlipoca,
una-su-pierna,
uma perna nobre
e mui pia,
recolhida pela tripulação
de um barco que montei
ontem à noite depois do jantar,
em todo conto de fadas
as mulheres velhas são más,
tenho medo das veias saltadas
que seguram sacolas,
o tempo só passa
nos espelhos e nos
olhos dos outros,
é só não olhar, papai
costumava dizer
entrando pela cozinha,
me trazendo
um carneirinho bem gordo,
pero de algodão
-- que homem extraordinário
.

--