24.6.08




gosto de dias frios. muito frios. muito frios mesmo. porque assim me poupam de ver da gente feia mais do que eu suportaria. os bonitos eu dispenso. gosto de mim no espelho frio. muito frio. muito frio mesmo. porque não sou feia nem bonita. não sou gente. gente é palavra feia. mas nara leão é um bonito nome. mais do que eu suportaria. alguém se chamou um dia nara leão. eu também tenho um nome. pequeno. poucas letras. gosto de nomes de poucas letras. assim falo pouco. o que posso suportar. escrever é bonito. o que se escreve é feio. eu escrevo feio. se eu tivesse amigos, eles diriam que eu escrevo bonito. a amizade é bonita. os amigos são feios quando dizem que eu escrevo bonito. gosto de amigos frios. muito frios. muito frios mesmo. mais do que eu poderia suportar. se eu me chamasse nara leão, talvez pudesse suportar a gente feia, a gente bonita, as palavras cumpridas, o que escrevo, os amigos, nara leão. só que eu não me chamo nara leão. ninguém se chama nara leão. nara leão morreu. a morte não é feia nem bonita. é morte. espelho vazio muito frio. muito frio mesmo. mais do que você suportaria. ainda bem que eu não sou você. eu não suportaria. você é feio. mas eu digo que você é bonito porque sou sua amiga e vejo você bonito. mais do que você suportaria. você acharia que é amor. e o amor não é feio, é um bonito que eu dispenso. não sou gente. gente é nara leão.


--

10.6.08



Às vezes vou passando,

passando

e acho que o lado de fora

não existe quase.







ana c.

--

6.6.08

Eugenio Montejo


Dura menos un hombre que una vela... 

Adiós al siglo XX


Cruzo la calle Marx, la calle Freud;
ando por una orilla de este siglo,
despacio, insomne, caviloso,
espía ad honorem de algún reino gótico,
recogiendo vocales caídas, pequeños guijarros
tatuados de rumor infinito.
La línea de Mondrian frente a mis ojos
va cortando la noche en sombras rectas
ahora que ya no cabe más soledad
en las paredes de vidrio.
Cruzo la calle Mao, la calle Stalin;
miro el instante donde muere un milenio
y otro despunta su terrestre dominio.
Mi siglo vertical y lleno de teorías...
Mi siglo con sus guerras, sus posguerras
y su tambor de Hitler allá lejos,
entre sangre y abismo.
Prosigo entre las piedras de los viejos suburbios
por un trago, por un poco de jazz,
contemplando los dioses que duermen disueltos
en el serrín de los bares,
mientras descifro sus nombres al paso
y sigo mi camino.

---


El esclavo

Ser el esclavo que perdió su cuerpo
para que lo habiten las palabras.
Llevar por huesos flautas inocentes
que alguien toca de lejos
o tal vez nadie. (Sólo es real el soplo
y la ansiedad por descifrarlo.)

Ser el esclavo cuando todos duermen
y lo hostiga el claror incisivo
de su hermana, la lámpara.
Siempre en terror de estar en vela
frente a los astros
sin que pueda mentir cuando despierten,
aunque diluvie el mundo
y la noche ensombrezca la página.

Ser el esclavo, el paria, el alquimista
de malditos metales
y trasmutar su tedio en ágatas.
en oro el barro humano.
para que no lo arrojen a los perros
al entregar el parte.

--


Canción

Cada cuerpo con su deseo
y el mar al frente.
Cada lecho con su naufragio
y los barcos al horizonte.

Estoy cantando la vieja canción
que no tiene palabras.
Cada cuerpo junto a otro cuerpo,
cada espejo temblando en la sombra
y las nubes errantes.

Estoy tocando la antigua guitarra
con que los amantes se duermen.
Cada ventana en sus helechos,
cada cuerpo desnudo en su noche
y el mar al fondo, inalcanzable.



--

2.6.08

Cervantes




yo, que siempre trabajo y me desvelo
por parecer que tengo de poeta
la gracia que no quiso darme el cielo







imagem: franz roh


--