19.4.08

Madrasta também chora




Quando Inhá Rita morreu uma fia ela dexô
Seu Mendonça, fazendeiro, a segunda veiz casô
A madrasta ruim, perversa, muito da mocinha judiô.

A esperança da mocinha é que logo se casava
Com um moço da fazenda que há tempo namorava
A madrasta feiticeira com a sua farsidade
Desmanchô o casamento e a sua felicidade.

A pobre moça chorava e a madrasta lhe bateu
Reclamando triste a sorte no seu quarto recoieu
Preparando um veneno e chorando ela bebeu
Chamando por sua mãe entre lamento morreu.

O seu pai que tanto amava deu a triste despedida
Oiando o caixão sumindo da sua fia querida
Maginando o passado chorou lágrimas sentida
A tristeza pouco a pouco deu o fim na sua vida.

A madrasta criminosa vive chorando até agora
Lá no pé da sepurtura pede perdão e implora
Arrependida rezando pra Deus e Nossa Senhora
Do remorso e do pecado a madrasta também chora.


- A madrasta também chora, Chiquinho e Zé Paioça.

--

18.4.08

Edmond Jabès




Deixei uma terra que não era a minha
por outra à qual também não pertenço.
Refugiei-me num vocábulo de nanquim,
e tenho o livro como espaço;
palavra de lugar nenhum, obscura fala do
deserto.
Não me cobri durante a noite.
Nem mesmo tentei me proteger do sol.
Andei nu.
De onde eu vinha, não fazia mais sentido;
Aonde eu ia, não incomodava ninguém.
Vento, digo-lhes, vento.
E um pouco de areia no vento.

---

Estou à procura
de um homem que não conheço,
que nunca foi tão eu mesmo
quanto desde que comecei a procurá-lo.
Teria ele meus olhos, minhas mãos
e todos esses pensamentos semelhantes
aos destroços deste tempo?
Estação de mil naufrágios,
o mar deixa de ser mar,
para tornar água gelada dos túmulos.
Mas, mais longe, quem sabe mais longe?
Uma menina canta a contragosto,
enquanto a noite reina sobre as árvores,
pastora em meio a seus carneiros.
Venham arrebatar do grão de sal a sede
que nenhuma bebida poderá mitigar.
Com as pedras, um mundo se devora
para ser, como eu, de parte alguma.



Edmond Jabès, "A canção do estrangeiro".

--

15.4.08

book art 2





O inconsciente do texto literário. O interessante é que o desejo que o escritor teve de escrever irá se projetar no leitor, não para escrever como o autor lido, mas para escrever a partir dele mesmo. A leitura é condutora do desejo de escrever... o que desejamos é apenas o desejo que o escritor teve de escrever: desejamos o desejo que o autor teve do leitor enquanto escrevia, desejamos o ame-me que está em toda a escritura.

Rafael Andrés Villari

--

14.4.08

book art 1






- trabalho dos alunos do curso de Book Art, da Universidade de Montevallo, Alabama.

--

12.4.08




Os dedos de vidro apontam para baixo. A luz escorre pelo vidro e forma uma poça verde. O dia inteiro os dez dedos do lustre derramam verde no mármore. As penas dos periquitos, lâminas estridentes de palmeiras, verdes também; agulhas verdes reluzindo no sol. Mas não pára o duro vidro de gotejar sobre o mármore; as poças pairam sobre a areia do deserto; por elas cambaleiam camelos; as poças se assentam no mármore, margeadas por junco, sufocadas por ervas daninhas; aqui e ali uma flor branca; o sapo pula; à noite as estrelas ficam lá, intactas. Aproxima-se a noite e a sombra varre o verde para cima da lareira; a superfície enrugada do mar. Não há navios chegando; as ondas vêm e vão sob o céu vazio. É noite e as agulhas agora derramam o azul. O verde foi embora.



Virginia Woolf, Verde.


---

10.4.08




Odete
Odete tinha muito potencial quântico.
Não diminuía quando eu me afastava.
Não irradiava.
Não tinha uma fonte.
Era uma entidade física indetectável.
Ela me ensinou que a abstenção também é um vício.
O amor, um gás.
Naquela hora do dia em que o tempo parece parar.


------------------------------------------------



Mas ao que pouco se perdoa, pouco ama.
(Lucas 7:47)





São Bartolomeu foi esfolado vivo. São Pedro, crucificado de cabeça para baixo. São Estêvão, apedrejado. Por essas e outras, você não tem mais permissão para tocar em mim. Te contenta com os calos santos de frei Hermano da Guatemala. Como tu, ele acreditava que a terra era um ovo. Aproveita e compra uns tomates na feira. Hoje eu não volto. Adão e Eva só passaram 12 horas no Paraíso. Fotografei tua porta para nunca mais me esquecer. Os olhos são tudo, mesmo numa pessoa. Deixei espaço de sobra na tua memória para você se distrair. Agora estou feliz, se me sento na privada ninguém me vê. Seja feliz também. Porque todo mundo fala sozinho, e você precisa ouvir.




o bilhete


--

7.4.08

Sapias, vina liques*




Amice, alliegre magnammo e bevimmo
Nfin che n'ce stace noglio a la lucerna:
Chi sa s'a l'autro munno nc'e vedimmo?
Chi sa s'a l'autro munno nc'e taverna?


Amigos, alegres comamos e bebamos
Enquanto o azeite ainda dura na lanterna:
Quem sabe se no outro mundo nos veremos?
Quem sabe se no outro mundo há taverna?


--
Numa tabuleta de bodega em Nápolis.

* Sê prudente, filtra os vinhos.

--


6.4.08

Paul Éluard





À peine défigurée

Adieu tristesse
Bonjour tristesse
Tu es inscrite dans les lignes du plafond
Tu es inscrite dans les yeux que j'aime
Tu n'es pas tout à fait la misère
Car les lèvres les plus pauvres te dénoncent
Par un sourire
Bonjour tristesse
Amour des corps aimables
Puissance de l'amour
Dont l'amabilité surgit
Comme un monstre sans corps
Tête désappointée
Tristesse beau visage





Paul Éluard, em La vie immédiate, 1932.




3.4.08

Cecília Meireles




O mosquito pernilongo
trança as pernas, faz um M,
depois, treme, treme, treme,
faz um O bastante oblongo,
faz um S.

O mosquito sobe e desce.
Com artes que ninguém vê,
faz um Q,
faz um U e faz um I.

Esse mosquito
esquisito
cruza as patas, faz um T.
E aí,
se arredonda e faz outro O,
mais bonito.

Oh!
Já não é analfabeto,
esse inseto,
pois sabe escrever seu nome.


Mas depois vai procurar
alguém que possa picar,
pois escrever cansa,
não é, criança?

E ele está com muita fome.




Cecília Meireles, "O Mosquito Escreve".
--

2.4.08




Amigos, vamos ver se consigo restabelecer agora a periodicidade deste maldito blog. Tive problemas de foro profissional e uma pane na conexão discada. Com as chuvas e raios que caíram aqui recentemente a fiação externa foi-se. Podia ter sido pior, ter me vindo a casa abaixo. Mas tive sorte e agradeço aos meus orixás. Ainda tento resolver o problema do telefone fixo, mas assinei um belo contrato com a conexão por celular, esta que vos fala. Não sei se o treco vai funcionar, mas a experiência é tudo na vida, não é mesmo? Por que não tentar? Aos amigos que me escrevem preocupados, não, não estou com dengue. Mas que ninguém me convide para um chope no Leblon. Aqui onde estou, os mosquitos são tudo gente boa. Abraços.


--