31.7.06

Baudelaire: de fato e ficção

Photobucket - Video and Image Hosting

Nas "Litanias de Satã" em As flores do mal:



Tem piedade, ó Satã, de minha atroz miséria!
Ó Príncipe do exílio, a quem fizeram mal
E que, vencido, sempre te ergues mais triunfal,

Tem piedade, ó Satã, de minha atroz miséria!Tu que vês tudo, ó rei das trevas soberanas,
Charlatão familiar das angústias humanas,

Tem piedade, ó Satã, de minha atroz miséria!...

E por aí vai a oração baudelaireana. Mas na intimidade do poeta, a regra era outra, já que ansiava "dirigir todas as manhãs minha oração a Deus, reservatório de toda força e toda justiça, a meu pai, a Mariette [a "ama bondosa" que o criou, celebrada nas Flores do Mal] e a Poe, como intercessores". A contradição é apontada por André Breton no Segundo Manifesto do Surrealismo em 1930, como exemplo de atitude que desonra o pensamento. Entre outras revelações, Breton entrega o dramaturgo Antonin Artaud, ex-membro da panelinha surrealista, a quem chama de informante da polícia [por estar sempre cercado de policiais na porta do Teatro Alfred Jarry] e ator exclusivamente voltado para o lucro e a fama [por encenar peças de autores que desprezava mas que obtinham patrocínio]. Muito divertidas as revelações desse Manifesto, onde se vê que o coquetismo literário e a briga de egos não são privilégio dos nossos tempos.
----------