29.6.06

histórias de guerra para boi dormir





"Era uma vez dois sapos. O Sapo Otimista e o Sapo Pessimista. Certa noite os dois sapos saíram pulando e pulando na floresta atraídos pelo cheiro de leite fresco que vinha de uma casa. Ao avistarem a casa, eles pularam pela janela de onde vinha o irresistível aroma e caíram direto dentro de um latão de leite. Para a infelicidade deles, as laterais do latão eram íngremes e escorregadias demais e o Sapo Pessimista logo desistiu e afundou. Já o Sapo Otimista ganhou coragem e começou a nadar e a se debater no leite, esperando sair dali de algum jeito. Ele não sabia como, mas não iria desistir sem lutar. Não se entregaria. E assim o Sapo Otimista se agitou e se debateu por toda a noite e, na manhã seguinte, ah, que alegria, ele estava flutuando em uma rodela de manteiga!... Eu sou o Sapo Otimista!"



-- fábula que o primeiro-ministro britânico Winston Churchill deu como resposta a um embaixador sueco que lhe perguntou como a Inglaterra enfrentaria o maciço bombardeio dos alemães lá pelos idos de 1941.



----

23.6.06




Resultado do Concurso: Amigos, este blog está num dilema. Temos um empate técnico, mas como mostra a moça da foto aí de cima, só um pode ganhar!, aqui não há disputa por pênaltis. Pois bem, a leitora Denise Pessoa então acertou quando disse que na foto havia um saco plástico com água pendurado na parede, porém errou nos detalhes e função. Já o leitor Erwin, sabendo pelos comentários que se tratava de um saco plástico com água, acertou a função do dito cujo: para espantar um bicho, mas errou o bicho, não é para espantar mosca. Como não posso rasgar um livro ao meio e enviar os pedaços para os dois, e se eu der um livro para cada um, vou ficar prejudicada aqui, darei mais uma chance para eles adivinharem o bicho certo, ok? (Poupem-me de bichos nojentos, please, eu sou pobre mas sou limpinha.) Portanto, os finalistas Denise e Erwin terão uma chance de desempate, devem pensar bem e me enviar a resposta correta: qual é o bicho que o saco d'água espanta? Se ainda assim, os dois acertarem a resposta, quem responder primeiro levará o livro. Espero ter sido justa aqui. Aos outros leitores agradeço a participação. (Gostei dessa história de dar livros, de dar, acho que vou promover outros concursos para desovar meus livros, já ando sem espaço aqui para andar. Alguma idéia?) Um abraço, e parabéns aos finalistas.


---------

18.6.06




Hoje está um dia morto, romance vencedor do prêmio SESC de Literatura 2005, é o primeiro romance do goiano André de Leones, onde ele retrata a vida angustiada de um adolescente no interior de Goiás. Já a carioca Lúcia Bettencourt levou o prêmio com sua coletânea de contos A secretária de Borges, onde ela cria um labirinto em que Borges e sua hipotética secretária se perdem. Os dois livros, numa parceria SESC/ed. Record, serão lançados na Academia Brasileira de Letras (Av. Presidente Wilson 203- Castelo - RJ) no dia 20 de junho, nesta terça-feira, às 17h30. Se você estiver na área, apareça para conferir e dar uma força. O André estende o convite a todos os leitores do Prosa, lógico. Boa sorte pra ele e Lúcia.


-------------

15.6.06

Álvares de Azevedo



É ela! É ela! - murmurei tremendo,
E o eco ao longe murmurou - é ela!
Eu a vi... minha fada aérea e pura -
A minha lavadeira na janela!
Dessas águas-furtadas onde eu moro
Eu a vejo estendendo no telhado
Os vestidos de chita, as saias brancas;
Eu a vejo e suspiro enamorado!
Esta noite eu ousei mais atrevido
Nas telhas que estalavam nos meus passos
Ir espiar seu venturoso sono,
Vê-la mais bela de Morfeu nos braços!
Como dormia! Que profundo sono!...
Tinha na mão o ferro do engomado...
Como roncava maviosa e pura!...
Quase caí na rua desmaiado!
Afastei a janela, entrei medroso...
Palpitava-lhe o seio adormecido...
Fui beijá-la... roubei do seio dela
Um bilhete que estava ali metido...
Oh! de certo... (pensei) é doce página
Onde a alma derramou gentis amores;
São versos dela... que amanhã de certo
Ela me enviará cheios de flores...
Tremi de febre! Venturosa folha!
Quem pousasse contigo neste seio!
Como Otelo beijando a sua esposa,
Eu beijei-a a tremer de devaneio...
É ela! É ela! - repeti tremendo;
Mas cantou nesse instante uma coruja...
Abri cioso a página secreta...
Oh! Meu Deus! Era um rol de roupa suja!
Mas se Werther morreu por ver Carlota
Dando pão com manteiga às criancinhas
Se achou-a assim mais bela - eu mais te adoro
Sonhando-te a lavar as camisinhas!
É ela! É ela! meu amor, minh'alma,
A Laura, a Beatriz que o céu revela...
É ela! É ela! - murmurei tremendo,
E o eco ao longe suspirou - é ela!




14.6.06





vejo no livro do poeta
que sua biografia tem mais palavras
que os poemas

prêmios
menções honrosas
títulos e medalhas
o poeta é um vencedor
chegou na casa das américas
três segundos antes de colombo

suspiro sobre o caldo de enguia
uma saudade rasa de almôndegas
o poeta diria boldroegas

japonesas rindo na memória



----------

12.6.06

Acaba de ser lançada no Brasil, pela Editora do Bispo, Aurélia, a dicionária da língua afiada, a primeira dicionária de língua portuguesa de termos e expressões do universo gay. Seus autores, ou organizadores, são o jornalista Ângelo Vip e o professor Fred Lib, ambos usando pseudônimo. Segundo eles, o projeto teve início em um site gay já extinto onde eles catalogavam os termos com a colaboração dos leitores. Eu me lembro deste site lá pelo ano de 2000, onde realmente havia uma página dedicada ao "Aurélia". Quem quisesse podia consultar e participar enviando exemplos das gírias que conhecia. Me lembro também que um amigo meu na época inventava umas gírias gays tétricas que só ele usava de brincadeira, expressões que não representavam nada do e para o mundo gay, eram uma invenção particular, doméstica. Pois bem, na época, também de brincadeira, eu coloquei lá neste site, cujo nome esqueci, estes termos que meu amigo inventou e mais alguns que eu conhecia e que eram "reais", quer dizer, eram realmente usados no universo gay que eu conhecia, o do Rio de Janeiro. Logo depois fiquei surpresa de constatar que todos os verbetes que enviei foram adicionados ao "Aurélia" do site. Estou curiosa agora para ver Aurélia, o livro, para saber se as expressões que meu amigo inventou ainda estão lá. Não quero colocar em dúvida o projeto da dicionária ou a coragem da editora em bancá-lo, apenas a veracidade de algumas "fontes", como a minha. Antes de ser um dicionário rigoroso, Aurélia vale por ser também uma obra de ficção de autoria coletiva. E já está causando polêmica. A família do famoso dicionarista quer tirar o dicionário gay das livrarias, alegando que é um caso de proteção da marca e não de homofobia. Sei. Bom, não é de espantar, pois hoje se sabe que os escritores viraram grife também. Ludlum, por exemplo, já morreu e ainda continua escrevendo best-sellers.

------

9.6.06


Eu não disse que ela ia voltar? E já está no segundo post: "Tesouros da Jumentude". O blog novo é o Um Por Semana e já avisa que pode sumir novamente a qualquer momento. É preciso aproveitar a fase de bom humor. All About Eve ganhou relativa notoriedade na blogosfera brasileira em 2002 ao criar o irreverente blog Eu Quero Ser Cora Rónai, já extinto. Quem conheceu se divertiu muito. Depois Ólabauti, como era conhecida por seus leitores, voltou em aparições ocasionais no blog Mundo Podre, também extinto. Agora vamos ver quanto tempo vai durar o Um Por Semana. Eu vou acompanhar. Bem-vinda, Ólabauti.

6.6.06

Trilogia suja de Havana





Estou leve demais para chorar. Não tenho desejos, ou não consigo rezar, nem agradecer. Nunca peço nada a Deus. Só agradeço. Tenho sempre muita coisa para agradecer, mas agora não. Estou transparente, vazio como o ar. Levantei-me e segui pela Carlos III Unter der Linden. Era uma boa hora. O entardecer. O crepúsculo e as árvores. A hora das libações, como dizia a mulher mais bonita que tive na vida. Neste horário o marido dela estava libando em algum bar e só voltava depois das dez da noite. E eu aproveitava para fazer pequenas orgias de duas ou três horas com ela, que afinal terminavam com todos libando juntos, a partir das dez, como bons amigos ao fim e ao cabo. Tenho a impressão de que ele desconfiava de alguma coisa, mas isso já é outra história. Desde então, o crepúsculo sempre foi terrível para mim.



Nada de libações, Pedro Juan, disse para mim mesmo. Aí me dei conta de que eu era um mendigo de merda. Um pedinte asqueroso. Sujo, com barba de dois dias. Estava sem sapatos e sem camisa, andando ainda meio bêbado, quase inconsciente. Podia pedir esmola e comprar alguma coisa de comer. Depois resolvia que droga ia fazer para voltar para o meu quarto e agarrar a Cusa pelo pescoço e acabar com a raça dela. Por que você me deixou ali caído, sua filha da puta? , haveria de perguntar-lhe, só que entre bofetões. Gosto de dar uns bons sopapos nas mulheres, quando elas merecem. E vou comer a Cusa desse jeito. Dando bofetões na cara dela. Bem ardidos, bem doídos, vou encher a cara dela de bolacha e quando meu pau ficar duro, meto nela. Ahh, que bom. E a velha vai dizer: "Pare de me bater, mas ponha tudo, até o talo, papi gostoso. Pare de me bater, porra!" E na hora começa a ter orgasmos e a gritar e a ofegar com cada jato de porra. Ah, como vou gozar com aquela velha peituda.



Estendi a mão e comecei a pedir a todos os que passavam por mim. Mal balbuciava alguma coisa. Para pedir esmolas não se pode falar com clareza, nem argumentar, nem nada. Você é um animal miserável, um micróbio pedindo umas moedas pelo amor de Deus. Um pesteado.



Assim foi desde que o mundo é mundo. É toda uma arte pedir esmola e aparentar imbecilidade, cretinismo, embriaguez crônica, burrice. Só um imbecil pede esmola. Se o cara está um pouquinho acima da imbecilidade é porque pode fazer alguma outra coisa. Assim é. É preciso fazer cara de imbecil para convencer. Mas nem assim. Ninguém me deu nada! Andei muitos quarteirões Carlos III abaixo. Lentamente. Esfarrapado. Sem rumo. Com cara de louco ou de imbecil, estendendo as mãos abertas diante de todos e balbuciando. Ninguém me deu nem uma moeda! Que horror! Nada. Naquela noite eu podia ter morrido de fome. Percorri toda a Carlos III. Duas ou três horas. Não sei quanto tempo. Pedindo pelo amor de Deus. E todos viravam a cara. Olhavam para outro lado. Ou fingiam que eu era um fantasma. Eu nunca tinha pedido esmola antes. Mas é terrível pedir esmola quando as pessoas são tão miseráveis. Estão todos no fundo do poço e detestam quando outro vem se queixar. Muitos me disseram: "Não enche o saco, velho, que eu até gostaria que alguém me desse esmola."



Assim que nem um centavo. Em compensação, recuperei a lucidez. Tinha de voltar para minha casa. Por que estava retardando a hora de voltar para casa? Não queria aparecer lá arrebentado, quase desmaiado. Os vizinhos são fofoqueiros. Hoje eu entendo. A razão é essa. Um pouco mais lúcido, falei para mim mesmo: "Volte para casa, Pedro Juan, tente chegar. Já está escuro, ninguém vai ver você." Pelo jeito desliguei o piloto automático e assumi de novo o comando.



Pedro Juan Gutiérrez, em fragmento de "Pegar o touro pelos chifres", do livro Trilogia suja de Havana, 1998.


-----

1.6.06

"Não feche seus olhos esta noite" -- primeiras fotos

















Aí estão algumas fotos da noite de autógrafos clicadas por Cris Carriconde. Outras virão. Foi uma festa. Muita gente amiga que encheu a livraria pra me dar uma força. Muito legal. A moça lendo os textos é a atriz Doriana Mendes. Da blogosfera estavam lá Marcos VP (leiam o livro Contos do Rio II, da Bom Texto/O Globo, ele escreve lá), as poetas C., do Numa Cidade do Interior, e Ane Aguirre (recém-chegada de Porto Alegre, pra ficar, né?), o fotógrafo Sergio Fonseca e Flávio Corrêa de Mello, do site Bagatelas, de escritores brasileiros e portugueses. Marcos VP fala a respeito do lançamento em seu blog e Ane Aguirre também publicou umas fotos, vejam lá. Enfim, foi ótimo. Depois coloco mais fotos. Onde está o rolo do Glauber Rocha? O mistério da noite. Depois de tanto vinho... Ah, sim, a Debbie também apareceu por lá, a ex-Maricleide de Jesus, vencedora do concurso Piores Contos Brasileiros que o Prosa Caótica promoveu em 2003. All About Eve, mais conhecida como Ólabauti, famosa ex-blogger e baba-ovada jornalista, também veio conferir. Aliás, ouvi um bochicho no lançamento de que ela ensaia um retorno triunfal à blogosfera. Segundo me disseram, não sobrará pedra sobre pedra. A ver.