31.1.06




When you're dealing with a store like this, they're insured up the ass. They're not supposed to give you any resistance whatsoever. If you get a customer or an employee who thinks he's Charles Bronson, take the butt of your gun and smash their nose in. Drops 'em right to the floor. Everyone jumps, he falls down, screaming, blood squirts out his nose. Freaks everybody out. Nobody says fuckin' shit after that. You might get some bitch talk shit to ya. But give her a look, like you're gonna smash her in the face next. Watch her shut the fuck up. Now if it's a manager, that's a different story. The managers know better than to fuck around. So if one's givin' you static, he probably think he's a real cowboy. So what you gotta do is break that son-of-a-bitch in two. If you wanna know something and he won't tell you, cut off one of his fingers. The little one. Then you tell 'im his thumb's next. After that he'll tell ya if he wears ladies underwear. I'm hungry, let's get a taco.



Mr. White, em Reservoir Dogs, ou Cães de Aluguel, de Quentin Tarantino. Para ler o roteiro completo no original passe aqui.

------

29.1.06

Odysseas Elytis




Pequeno mar verde, menina de treze anos
Gostaria de te adotar
E te mandar para uma escola da Jônia
Aprender absinto e tangerina
Pequeno mar verde, menina de treze anos
Para que no farol do meio-dia
Tu faças girar o sol
Ouvir o som do destino
E compreender como de colina em colina
Conspiraram outrora nossos ancestrais
Face ao vento como estátuas
Pequeno mar verde, menina de treze anos
E que com tuas fitas, tua gola branca
Entres em Esmirna pela janela
Para copiar nos tetos os reflexos
Das Doxa soi e Kyrie eleison
E que o vento do norte e o vento do leste
Onda após onda te tragam de volta
Pequeno mar verde, menina de treze anos
Para que eu, fora-da-lei, durma abraçado a ti
E encontre no aconchego de teus braços
Pedras esfareladas as palavras dos deuses
Pedras esfareladas os fragmentos de Heráclito.



Odysseas Elytis

----

26.1.06

Literatura keitai




Aí está a literatura keitai, ou literatura para celular. Keitai é o termo japonês para telefone celular. Ainda em fase embrionária mas fazendo sucesso, no ano passado milhões de pessoas leram pelo celular o romance Deep Love, do escritor japonês Yoshi. Contando a história de uma adolescente prostituta nas ruas de Tóquio, a obra, depois de estrondoso sucesso pelos celulares, numa divulgação boca a boca, virou filme e livro, vendendo quase 3 milhões de exemplares. Há também os keitai tanka, ou poemas para celulares, geralmente compostos em 31 sílabas. Você pode ler clássicos, best-sellers e textos escritos especificamente para a telinha do celular. Todos os textos devem ser curtos, para leitura rápida. As páginas vão baixando para você ler. Os neoeditores estão de olho neste mercado. Tudo começou no Japão, claro. E você ainda pode ler no escuro, só com a iluminação da tela. Que tal?


------

20.1.06




Ela chegou bufando do Jockey Club e colocou as pernas pra cima. Havia despejado as economias no quinto páreo e perdeu tudo. Tirou os sapatos e as calças vermelhas. Disse que o vermelho lhe dava azar e me pediu 1.000 paus com os olhinhos cheios d'água. Ia recuperar tudo no bingo aquela noite, eu ia ver. Tomou um banho, vestiu amarelo e ficou plantada na porta esperando. Dei-lhe 500. Era uma artista de talento. Famosa desde cedo, aos 20 anos pintava para a revolução. Aos 40, para comprar pó. Aos 60, tenta o destino nos jogos de azar. Todos os anos vai a Las Vegas. Perde umas 4 telas nas roletas. Odeia caça-níqueis. Diz que Mônaco perdeu o glamour e trabalha com cartas marcadas. Ela divide o apartamento comigo enquanto traduzo poemas de Li Shangyin. Fanática por Maiakovski e Rimbaud, diz que não entende poetas de gabinete. Mistura tintas de dia e embaralha cartas à noite. Antes de ela sair preparo um drinque para nós e lhe desejo boa sorte. Há dias longos e dias de haicai. Volto pro meu quarto e fecho a última estrofe.


-----

17.1.06




Claes Oldenburg, em "Soft Typewriter" ou "Máquina de escrever maleável", 1963. Esta é a versão "fantasma", há uma outra em que a máquina é preta, toda feita em vinil, kapok, tecido e plexiglass.


-----

14.1.06



o passado terminou ontem
já não há revoluções debaixo do colchão
na foto meus amigos mal sorriem
segurando o copo, fui de navio pra São Paulo
suas almas ficaram na praia.

vida sala quarto cozinha e banheiro,
são outros sentimentos
quando um cachorro morre,
deixa manchas na lua
por isso vigio, sou paciente
e não mordo meu dono.


-----

13.1.06




"Io non so littere!" -- "eu não sou letrado", disse o papa Júlio II a Michelangelo. O artista queria colocar um livro na estátua que faria do papa, este preferiu uma espada.


-----

9.1.06

Allen Ginsberg




um supermercado na Califórnia

Não paro de pensar em ti esta noite, Walt Whitman,
caminho pela calçada, sob as árvores, com uma dor de
cabeça constante e olhando a lua cheia.

Em meu faminto cansaço, faço compras na imaginação, entro
num supermercado de néon sonhando com tuas listas!

Que pêssegos e que penumbras! Famílias inteiras
nas compras da noite! Corredores cheios de maridos! Mulheres nos
abacates, bebês nos tomates! - e tu, Garcia Lorca,
o que fazes aí na frente dos melões?

Te vi, Walt Whitman, sem filhos, velho comilão solitário,
apalpando as carnes no refrigerador, de olho nos
funcionários garotões.

Te ouvi perguntando a cada um: quem matou as costeletas
de porco? Qual o preço das bananas? És o meu Anjo?

Perambulei pelas brilhantes prateleiras dos enlatados,
te seguindo e sendo seguido pelo detetive da casa
em minha imaginação.

Percorremos todo o supermercado juntos em nossa solitária
fantasia, provando alcachofras, pegando cada delícia congelada
sem passar pelo caixa.

Para onde estamos indo, Walt Whitman? Daqui a uma hora
as portas se fecham. Que caminho a tua barba hoje aponta?

(Toco em teu livro e sonho com nossa odisséia no supermercado
-- que absurdo.)

Caminharemos a noite toda por essas ruas solitárias? As árvores
fazem sombra às sombras, luzes apagadas nas casas, estaremos sozinhos.

Andando e sonhando com a América perdida de amor,
passando por automóveis azuis parados, a caminho de nosso solitário refúgio?

Ah, querido pai de barbas grisalhas, velho e solitário mestre de coragem,
que América conhecestes quando Caronte parou de conduzir
e desceu-te na margem enfumaçada enquanto vias
o barco desaparecer nas negras águas do Letes?



Allen Ginsberg, Berkeley, 1955.