1.9.05

Katrina Blues




Dizem que a água cobriu New Orleans. Já não posso ver daqui a Nouvelle Orleans do Garden District, Niuorlins do French Quarter, da Bourbon Street, do French Market. Já não posso ver ma baby. A luz da noite não vem dos bares mas das lanternas de resgate. A cidade inteira transformada num imenso Voodoo Museum. Os gritos não vêm do Mardigras. A alegria acabou. Meu copo vazio encheu-se de água suja. Equipes mortuárias identificam corpos pelas ruas, mas não me viram. Helicópteros feito aves agourentas sobrevoando sobrados históricos e seus balcões de ferro, onde sempre apoiei meu braço cansado. Fats Domino pode estar pendurado num telhado, o velho safado. Só pode estar. Irão achá-lo, espero assim. Não ia dar essa bobeira. Espero por ele, longe do Mississippi, velho, longe do Mississippi. Meus companheiros estão comigo. Afinam os instrumentos. Evil Katrina. Katrina Blues. Ainda não decidimos o nome da música. Paciência. Temos tempo de sobra para esquentar a garganta.


Oh, when the saints go marching in,
Oh, when the saints go marching in;
Lord, I want to be in that number,
When the saints go marching in.

All my folks have gone before me,
All my friends and all my kin;
But I'll meet with them up yonder,
When the saints go marching in.