22.10.04



A noite cai pesadamente sobre o Nilo. As estrelas ardem num céu aveludado de encantamento. O peito ofegante de Cleópatra ergue seus pesados colares de ouro, traindo sua febre muda. Um desmaiado pôr-do-sol banha os antigos monumentos e à distância ouve-se o lamento dos crocodilos. Ao sentir o delicado e lascivo toque do vento em seus cabelos, um intenso frisson a percorre e ela soluça juras de amor em silêncio. Subitamente empalidece, rasga sua túnica e ostenta seu corpo despido inchado de amor como uma fruta madura. Cleópatra estremece e desenrola à brisa quente e devoradora da noite a serpente do desejo. E quando o perfume de sua carne se espalha no ar, a Esfinge, imóvel nas areias do tédio, sente o deserto se mover.


Albert Samain, em tradução livre de soneto do livro Au Jardin de L'Infante, 1922. Na foto de Richard Avedon, Marilyn Monroe imita Theda Bara como Cleópatra (1958, Life).