10.9.04

poesia trovadoresca, c. 1200


Et ab jio li er mos treus
Entre gel e vent e neus.
La Loba ditz que seus so,
Et a.n be dreg e razo,
Que, per ma fe, melhs sui seus
Que no sui d'autri ni meus.

Procuro-a com alegria
Pelo vento neve granizo.
A Loba diz que sou dela
E meu Deus ela está certa:
Sou todo dela
E de ninguém mais, nem de mim.


Peire Vidal, em tradução livre do occitano. A Loba do poema era Etiennette de Pennautier, a dama mais bela e cortejada de sua época no Languedoc, região da antiga França que foi berço dos heréticos, do amor cortês e da poesia trovadoresca. Isso até aparecerem os soldados de Cristo, os cruzados, e empatarem tudo.