10.3.03

Eva Braun: Uma Psicografia Não Autorizada

I

Esta é uma história para poucos. Uma história para quem tem sangue-frio. Eu não preciso que acreditem em mim. Esta é a minha história e me basta ser como é. Também não preciso justificar ao mundo as atitudes que tomei em vida. Bem sei que sou a mais desprestigiada das Evas. Uma Eva sem Paraíso. E como tal fui esquecida pela história. Fui esquecida e minha memória conspurcada porque me deitei com o Cão. Paguei o meu preço e hoje vivo no mais perfeito limbo, circulando na companhia bisonha de espíritos das mais diversas linhas e qualidades de baixeza. Fantasma de minha própria sombra, ainda trago comigo a aliança presenteada pelo meu Führer naquele fatídico 29 de abril de 1945, quando todos os Aliados bebiam champanhe à custa de nosso sofrimento que logo teria um fim em pequenas cápsulas de cianureto. Minha jornada com Adolf foi terrível, confesso, só o diabo sabe o que fazíamos nos corredores do Bundestag. Nas longas noites de ausência do meu amado, ficava eu só, com meus banhos de leite de cabra e a companhia silenciosa de nosso cãozinho pastor, Blondi. Deitada em meus lençóis de seda, ouvia o ronco das divisões panzer e dos stukas e meu coração de Valquíria se deleitava. No rádio de cabeceira os gritos ensurdeciam meus ouvidos: Ein Führer, Ein Volk, Ein Deutschland! Mas à medida que o tempo passava, eu ia ficando farta daquela merda toda. Daquele mar de sangue fétido. Daquelas noites solitárias sem os cochichos do meu amado "Fraulein Braun, meu docinho da Floresta Negra". Estava farta das operetas, dos fins de semana em Munique, no hotel Vier Jahreszestein, onde Adolf se ocupava de seu pincel inútil, me confundindo com o povo da Germânia. "Fui transformada em bovino como todos os outros", eu escrevi no meu diário. Dói-me lembrar dos nossos últimos dias no bunker, quando aquele cabo idiota, o líder supremo da nação ariana, passava suas horas lendo a História de Frederico o Grande, de Carlyle, e trocando confidências com Goebbels, sempre ele, ah, quanto ciúme eu sentia... Quando Adolf finalmente resolveu engolir os malditos cianuretos (ao contrário do que a história registra, ele não deu um tiro na cabeça), eu ainda pude ouvir suas últimas palavras: "O sangue do mundo é meu destino", e meu coração se encheu de dor, e alívio. No entanto, alguma coisa me dizia que a minha história não acabaria ali.