26.5.16

O Estado das Coisas

4 poemas de Osip Mandelstam (esp.)


La tristeza inexpresiva

La tristeza inexpresiva
Abrió sus dos ojos enormes,
El florero al despertar
Del cristal arrojó las flores.

Todo el cuarto se invadió
De una lánguida -¡dulce medicina!
Este reino tan pequeño
Tanto sueño ha devorado.

Un poco de vino rojo,
-Otro poco de sol de mayo-
Y rompiendo un delgado bizcocho
La blancura de dedos finos.
-----------------------------

Tártaros, uzbekos y nentses,
todo el pueblo ucraniano,
y hasta los alemanes del Volga
esperan a los traductores.

Y quizás, en este momento,
algún japonés 
me traduce al turco
y llega hasta mi alma.
--------------------------

Nos quedaremos sentados en la cocina,
el querosén blanco huele a dulce;

Un cuchillo afilado y un pan...
Si querés, calentá bien el hornillo,

Y si no, buscá las cuerdas
ataremos la cesta antes del alba,

Para irnos a la estación,
donde nos nos encontraría nadie.
------------------------------------------

¿Para qué debe crecer el cráneo
por toda la frente —de sien a sien—?
¿Para que en sus queridas órbitas
puedan penetrar las tropas?
En vida crece el cráneo
por toda la frente —de sien a sien—,
Se atormenta por la nitidez de sus suturas,
se aclara con la cúpula del entendimiento,
espumea con el pensamiento, se sueña.
Cáliz de cálices y patria de patrias,
cofia recamada de pespuntes de estrellas,
gorrito de la felicidad —padre de Shakespeare... 


24.5.16

Elza Soares - Coração do Mar



Coração do mar
É terra que ninguém conhece
Permanece ao largo
E contém o próprio mundo
Como hospedeiro
Tem por nome "Se eu tivesse um amor"
Tem por nome "Se eu tivesse um amor"
Tem por nome "Se eu tivesse um amor"
Tem por nome "Se eu tivesse um amor"

Tem por bandeira um pedaço de sangue
Onde flui a correnteza do canal do mangue
Tem por sentinelas equipagens, estrelas, 
taifeiros madrugadas e escolas de samba

É um navio humano, quente, negreiro, do mangue
É um navio humano, quente, guerreiro, do mangue




Elza Soares - Maria da Vila Matilde ...

Man Ray, Emak-Bakia (Leave Me Alone), 1926












19.5.16

Celeste Rodrigues - Nostalgia - show de ontem em Bilbao



Uma guitarra baixinho
Numa viela sombria
Derrama um fado velhinho
É noite na Mouraria.

Apita um barco no Tejo
Na rua passa um rufia
Em cada boca há um beijo
É noite na Mouraria.

Tudo é fado
Tudo é vida
Tudo é amor sem guarida
Dor, sentimento, alegria.

Tudo é fado
Tudo é sorte
Retalhos de vida e morte
É noite na Mouraria.

Cai o luar na viela
Perdida saudade ao vento
No céu queima-se uma estrela
Na ruela há um lamento.

Lamento de amor que é fado
Dando ao pensar nostalgia
O tempo passa apressado
É noite na Mouraria.



14.5.16

A Naifa - Um Rapaz mal desenhado



Gostei de o ter por cá
O teu corpo delicado e quente
Um rapaz mal desenhado
Obedecia-me cegamente
Um rapaz vestido de rapariga
Depois de tão belo começo
A dar-me a mão por baixo da mesa
Eu bem sei que não o mereço
Ambiciono o coração
Perco a noção de subtileza
Sabes que nunca te encorajei
Levanta-te e paga a despesa
Não julgues que não tentei
És pouco para tanto desejo
E é toda a tua culpa
Os embaraços em que me vejo
Um rapaz vestido de rapariga
Depois de tão belo começo
A dar-me a mão por baixo da mesa
Eu bem sei que não o mereço
Ambiciono o coração
perco a noção de subtileza
sabes que nunca te encorajei
levanta-te e paga a despesa


10.5.16

esta depressão que me anima



a gorda do café
muito antiga e perfumada
passe bem minha senhora
que eu não me importo nada

uma rima obsessiva
indecente nas suas maneiras
desligado o motor do carro
as criadas tornavam-se indisciplinadas

vivo do que me dão
nunca falto às aulas de esgrima
e todos os dias agradeço a deus
esta depressão que me anima

o rapaz da drogaria
amarelo e mal tratado
convidou-me a sair
encontrei-o no teatro